NOSSA MISSÃO

Divulga artigos de pesquisas científicas escritos por cientistas e pesquisadores SUD.s e não SUD.s, profissionais e amadores, a respeito da arqueologia, antropologia, geografia, sociologia, cronologia, história, linguística, genética e outras ciências relacionadas à cultura de “O Livro de Mórmon - Outro Testamento de Jesus Cristo”, uma das quatro obras padrão de “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”.

O Livro de Mórmon conta a história dos descendentes do povo de Leí, (profeta da casa de Manassés), que saiu de Jerusalém no ano 600 a.C. (pouco antes do Cativeiro Babilônico) e viajou durante 8 anos pelo deserto da Arábia às margens do Mar Vermelho, até chegar na América (após 2 anos de navegação), desembarcando provavelmente em algum lugar da Mesoamérica (região que inclui o sul do México, Guatemala, Belize, El Salvador, Honduras, Nicarágua e parte de Costa Rica), mais precisamente a região vizinha à cidade de Izapa, no sul do México, onde, presumem os estudiosos, tenha sido o local de assentamento da primeira povoação desses colonizadores hebreus .

Este blog não é patrocinado nem está ligado oficialmente a qualquer denominação religiosa. Todo conteúdo apresentado aqui representa a opinião e é de total e exclusiva responsabilidade de seus autores, que sempre estão devidamente identificados.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Jareditas (Olmecas) na Mesoamérica

Bruce W. Warren, Harold Brown
e Blaine M. Yorgason

New Evidences of Christ in Ancient America  
(Novas Evidências de Cristo na América Antiga)
www.ancientamerica.org
 
Tradutor Elson Carlos Ferreira – Curitiba/2005

“... os remanescentes do povo que foi destruído” (Mosias 8:12) sugere que os Jareditas ainda continuaram a habitar a Mesoamérica depois da última batalha no monte Ramá. Os registros arqueológicos apóiam esta hipótese.

 Morôni nos apresenta os Jareditas dizendo: “E agora eu, Morôni, faço um relato a respeito daqueles antigos habitantes que foram destruídos pela mão do Senhor sobre a face deste país do norte.” [uma área geográfica na Mesoamérica] (Éter 1:1).

 O povo aludido por Morôni deixou sua terra natal aproximadamente no ano 2.650 a.C., o tempo da confusão das línguas na torre de Babel. Eles sabiam a respeito do Messias e Redentor, Jesus Cristo, e que foi Ele quem os levou para a Mesoamérica.

 Ixtlilxochitl escreveu em sua história a respeito de um grupo de pessoas que veio da grande torre e foi levado para a terra que hoje conhecemos pelo nome de Mesoamérica. De acordo com Ixtlilxochitl, eles viveram numa área nas partes ao norte da terra que fica próxima da costa do Golfo do México. (Allen 1989, 55)

 Por causa das marcantes similaridades entre o registro de Morôni sobre os Jareditas e o registro de Ixtlilxochitl, podemos facilmente concordar que ambos os registros se referem ao mesmo povo. Além disso, o registro arqueológico confirma que o povo conhecido pelo nome moderno de Olmecas provavelmente seja a mesma civilização mencionada por Morôni e por Ixtlilxochitl.

O livro de Éter dá a primeira sugestão moderna de que a raça-mãe da Mesoamérica foram os Jareditas em vez dos Maias, conforme os arqueólogos acreditavam até meados do Século XX. Em 1941 a Mexican Society of Anthropology (Sociedade Mexicana de Antropologia) patrocinou uma conferência durante a qual os arqueólogos declararam pela primeira vez que a cultura conhecida como Olmecas foi a cultura-mãe do México (ou da Mesoamérica).

 Os leitores do Livro de Mórmon tradicionalmente acreditam que todos os antigos jareditas (Olmecas) foram mortos como resultada de uma última batalha. Entretanto, depois da última batalha que ocorreu no Monte Ramá, a lógica e as evidências arqueológicas sugerem que os Jareditas (Olmecas) continuaram a habitar outras áreas geográficas na Mesoamérica, além da região em torno do Monte Ramá. 

Nós afirmamos que o povo Jaredita (Omeca) ainda continuou a habitar a Mesoamérica depois da última batalha no Monte Ramá. O registro arqueológico certamente apóia esta hipótese. As implicações dessa hipótese são especialmente intrigantes em conexão com o Messias-Redentor. Ou seja, todos os povos aludidos no Livro de Mórmon adoraram um Ser Supremo. Em conexão com essa adoração, todos eles em algum tempo conheceram o Messias-Redentor e indubitavelmente compartilharam esse conhecimento quando em várias ocasiões interagiram uns com os outros.

 O Livro de Mórmon e os registros arqueológicos apóiam a hipótese de que o Messias mesoamericano é Jesus Cristo, o Redentor e Messias, tanto no sentido pré-mortal quanto no pós-mortal. (New Evidences of Christ in Ancient America pp. 15-16)

 Copyright © 1999-2002 Ancient America Foundation-AAF