NOSSA MISSÃO

Divulga artigos de pesquisas científicas escritos por cientistas e pesquisadores SUD.s e não SUD.s, profissionais e amadores, a respeito da arqueologia, antropologia, geografia, sociologia, cronologia, história, linguística, genética e outras ciências relacionadas à cultura de “O Livro de Mórmon - Outro Testamento de Jesus Cristo”, uma das quatro obras padrão de “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”.

O Livro de Mórmon conta a história dos descendentes do povo de Leí, (profeta da casa de Manassés), que saiu de Jerusalém no ano 600 a.C. (pouco antes do Cativeiro Babilônico) e viajou durante 8 anos pelo deserto da Arábia às margens do Mar Vermelho, até chegar na América (após 2 anos de navegação), desembarcando provavelmente em algum lugar da Mesoamérica (região que inclui o sul do México, Guatemala, Belize, El Salvador, Honduras, Nicarágua e parte de Costa Rica), mais precisamente a região vizinha à cidade de Izapa, no sul do México, onde, presumem os estudiosos, tenha sido o local de assentamento da primeira povoação desses colonizadores hebreus .

Este blog não é patrocinado nem está ligado oficialmente a qualquer denominação religiosa. Todo conteúdo apresentado aqui representa a opinião e é de total e exclusiva responsabilidade de seus autores, que sempre estão devidamente identificados.

sexta-feira, 29 de abril de 2011

GEOGRAFIA - Sumário de Várias Teorias das Terras do Livro de Mórmon na Mesoamérica

Stephen L. Carr


Book of Mormon Archaeological Forum



Tradutor: Elson C. Ferreira - Curitiba/Brasil - Abril/2011


O propósito desse artigo é atualizar o leitor com respeito às atuais propostas que tentam esclarecer em que locais da Mesoamérica aconteceram os eventos do Livro de Mórmon.


Em honra ao falecimento do Dr. Stephen L. Carr, presidente do Book of Mormon Archaeological Forum, reeditamos seu último artigo. Esperamos que vocês gostem.Nós sabemos que ele vai gostar.
Stephen L. Carr, M.D. há muito tempo tem um grande amor pelo Livro de Mórmon, possivelmente por causa do seu segundo nome, Lamoni. Ele tem sido um ávido estudioso do Livro de Mórmon desde sua juventude. Durante um intervalo na escola de medicina ele desenvolveu um mapa de suas terras baseado somente no que se encontra no próprio texto, tentando colocar os locais em partes específica do Hemisfério Ocidental. Ele também produziu uma cronologia das interações entre os vários grupos de pessoas apresentados no livro. Sendo um homem de muitos interesses, Steve recentemente teve um artigo seu publicado pela FARMS sobre pássaros da Trilha de Leí no Oriente Médio. Ele e sua esposa serviram uma missão na África do Sul onde ele foi o médico Conselheiro de Área no Peru e Bolívia.
Critérios Para os Povos e Terras do Livro de Mórmon

1.  Alta civilização governada por reis e sacerdotes em cidades-estados.

Mosias 1: 1-7
O rei Benjamim ensina a seus filhos o idioma e as profecias de seus pais—Sua religião e civilização foram preservadas por causa dos registros gravados nas várias placas—Mosias é escolhido rei e recebe a custódia dos registros e de outras coisas. Aproximadamente 130–124 a.C.
1 E ENTÃO não houve mais contendas em toda a terra de Zaraenla, entre todo o povo que pertencia ao rei Benjamim, de modo que o rei Benjamim gozou de paz contínua todo o restante de seus dias.
2 E aconteceu que ele tinha três filhos; e dera-lhes os nomes de Mosias e Helorum e Helamã. E fez com que fossem instruídos em todo o idioma de seus pais, para que assim se tornassem homens de entendimento; e para que soubessem das profecias que haviam sido feitas pela boca de seus pais e que lhes foram entregues pela mão do Senhor.
3 E ele também os ensinou sobre os registros que estavam gravados nas placas de latão, dizendo: Meus filhos, quisera que vos lembrásseis de que, se não fosse por estas placas que contêm estes registros e estes mandamentos, teríamos permanecido em ignorância até o presente, não conhecendo os mistérios de Deus.
4 Porque não teria sido possível a nosso pai, Leí, lembrar-se de todas estas coisas para ensiná-las a seus filhos, se não fosse pelo auxílio destas placas; pois tendo ele sido instruído no idioma dos egípcios podia, portanto, ler estas gravações e ensiná-las a seus filhos, para que assim eles pudessem ensiná-las a seus filhos, cumprindo desta forma os mandamentos de Deus até o presente.
5 Digo-vos, meus filhos, que se não fosse por estas coisas que foram guardadas e preservadas pela mão de Deus para que pudéssemos ler e compreender os seus mistérios e ter seus mandamentos sempre diante dos olhos, até mesmo nossos pais teriam degenerado, caindo na incredulidade; e teríamos sido como nossos irmãos, os lamanitas, que nada sabem a respeito destas coisas ou nem sequer nelas crêem quando lhes são ensinadas, por causa das tradições de seus pais, que não são corretas.
6 Ó meus filhos, quisera que vos lembrásseis de que estas palavras são verdadeiras e também de que estes registros são verdadeiros. E eis que também as placas de Néfi, que contêm os registros e as palavras de nossos pais desde o tempo em que deixaram Jerusalém até agora, são verdadeiras; e podemos saber da veracidade delas porque as temos diante dos olhos.
7 E agora, meus filhos, quisera que vos lembrásseis de examiná-las diligentemente, para que delas vos beneficieis; e quisera que guardásseis os mandamentos de Deus para que prospereis na terra, segundo as promessas que o Senhor fez a nossos pais.

Mosias 2: 8
8 E aconteceu que, da torre, ele começou a falar a seu povo; e nem todos podiam ouvir-lhe as palavras, por causa do tamanho da multidão; portanto fez com que suas palavras fossem escritas e enviadas àqueles que se achavam fora do alcance de sua voz, para que também recebessem suas palavras.

Mosias 6: 3
3 E novamente aconteceu que, havendo o rei Benjamim dado por terminadas todas estas coisas e consagrado seu filho Mosias como chefe e rei de seu povo e passado a ele todas as funções do reino e também designado sacerdotes para ensinar o povo, para que assim todos pudessem ouvir e conhecer os mandamentos de Deus e para fazê-los lembrar-se do juramento que haviam feito, despediu a multidão; e voltaram, cada um com sua família, para suas próprias casas.

Mosias 29: 25
25 Portanto escolhei juízes pela voz deste povo, para que sejais julgados de acordo com as leis que vos foram dadas por nossos pais, as quais são corretas e foram dadas a eles pela mão do Senhor.

Alma 4: 16-17
16 E ele escolheu um homem sábio entre os élderes da igreja e deu-lhe poder, de acordo com a voz do povo, para que pudesse, segundo as leis que haviam sido dadas, decretar leis e fazê-las executar conforme a iniqüidade e os crimes do povo.
17 Ora, o nome desse homem era Nefia; e ele foi nomeado juiz supremo e ocupou a cadeira de juiz para julgar e governar o povo.

Alma 30: 29
29 Ora, quando o sumo sacerdote e o juiz supremo viram a dureza de seu coração, sim, quando viram que ele insultaria até mesmo Deus, não quiseram responder a suas palavras, mas mandaram amarrá-lo; e entregaram-no nas mãos dos oficiais e enviaram-no à terra de Zaraenla, para ser levado à presença de Alma e do juiz supremo, que era governador de toda a terra.

Alma 43: 23
23 Mas aconteceu que tão logo partiram para o deserto, Morôni enviou espias ao deserto para vigiar seu acampamento; e Morôni também, tendo conhecimento das profecias de Alma, enviou-lhe alguns homens, pedindo-lhe que perguntasse ao Senhor onde os exércitos dos nefitas deveriam ir, a fim de defenderem-se dos lamanitas.

Alma 50: 13-15
13 E aconteceu que os nefitas iniciaram a fundação de uma cidade, a qual denominaram cidade de Morôni; e situava-se perto do mar do leste; e ficava ao sul, perto das fronteiras dos territórios lamanitas.
14 E iniciaram também os alicerces de uma cidade entre a cidade de Morôni e a cidade de Aarão, unindo as fronteiras de Aarão e Morôni; e deram à cidade, ou melhor, à terra, o nome de Nefia.
15 E naquele mesmo ano iniciaram também a construção de muitas cidades no norte, uma de modo singular, à qual deram o nome de Leí, que ficava ao norte, próxima à costa.

Alma 51: 7, 15, 16, 26
7 E aconteceu que essa questão foi decidida pela voz do povo. E aconteceu que a voz do povo foi favorável aos homens livres; e Paorã manteve-se na cadeira de juiz, o que causou muita satisfação aos irmãos de Paorã e também a muitos do povo da liberdade, que também reduziram os realistas ao silêncio, de maneira que não se atreveram a fazer oposição, mas viram-se obrigados a apoiar a causa da liberdade.

Helamã 6:13
13 Eis que suas mulheres trabalhavam e fiavam e faziam toda sorte de tecidos de linho fino; e tecidos de todo tipo para cobrir sua nudez. E assim transcorreu em paz o sexagésimo quarto ano.

2.  Uma base agrícola que sustentasse vários milhões de pessoas.

Alma 3: 2
2 Ora, muitas mulheres e crianças haviam sido mortas pela espada e também muitos de seus rebanhos e manadas; e também muitos de seus campos de cereais foram destruídos, porque foram pisoteados por hostes de homens.

Alma 4: 2
2 Entretanto o povo estava aflito, sim, grandemente aflito pela perda de seus irmãos e também pela perda de seus rebanhos e manadas; e também pela perda de seus campos de cereais, que haviam sido pisados e destruídos pelos lamanitas.

Helamã 6: 12
12 Eles cultivaram cereais em abundância, tanto no norte como no sul; e prosperaram muito, tanto no norte como no sul. E multiplicaram-se e tornaram-se extremamente fortes na terra e criaram muitos rebanhos e manadas, sim, muitos animais cevados.

3 Néfi 4: 4
4 Portanto os ladrões não tinham oportunidade de roubar e de obter alimento, a não ser batalhando abertamente com os nefitas; e estavam os nefitas reunidos em um só grupo e eram muito numerosos; e haviam reservado para si provisões e cavalos e gado e rebanhos de todo tipo, a fim de poderem subsistir durante sete anos, no curso dos quais tinham a esperança de eliminar os ladrões da face da terra; e assim se passou o décimo oitavo ano.

3.  Sociedade altamente letrada com linguagem escrita e que tivesse escribas como importantes oficiais

Mosias 1:1-7 (acima)

Alma 60: -36
Morôni queixa-se a Paorã da negligência do governo com os exércitos—O Senhor permite que os justos sejam mortos—Os nefitas devem usar todo o seu poder e os seus meios para livrarem-se de seus inimigos—Morôni ameaça lutar contra o governo, a menos que seus exércitos recebam ajuda. Aproximadamente 62 a.C.

1 E aconteceu que ele tornou a escrever ao governador da terra, que era Paorã; e estas são as palavras que escreveu, dizendo: Eis que dirijo minha epístola a Paorã, na cidade de Zaraenla, o qual é juiz supremo e governador da terra, e a todos os que foram escolhidos por este povo para governar e dirigir os negócios desta guerra.
2 Porque eis que tenho algo a dizer-lhes, a título de recriminação; pois eis que sabeis que fostes designados para reunir homens e armá-los com espadas e com cimitarras e toda sorte de armas de guerra de todo tipo e enviá-los contra os lamanitas, em qualquer parte que invadissem nossa terra.
3 E agora, eis que vos digo que eu e também meus homens, e também Helamã e seus homens, padecemos grandes sofrimentos; sim, até mesmo fome, sede e fadiga; e toda sorte de aflições de todo tipo.
4 Mas eis que se isto fosse tudo quanto tivéssemos sofrido, não murmuraríamos nem nos queixaríamos.
5 Eis, porém, que grande foi a carnificina de nosso povo; sim, milhares caíram pela espada, o que poderia ter sido evitado se tivésseis proporcionado a nossos exércitos reforço e ajuda suficientes. Sim, grande foi vossa negligência para conosco.
6 E agora, eis que desejamos saber a causa de tão grande negligência; sim, desejamos saber a causa de vossa insensibilidade.
7 Pensais que podeis sentar-vos em vossos tronos, em estado de insensível estupor, enquanto vossos inimigos estão espalhando a morte ao vosso redor? Sim, enquanto estão assassinando milhares de vossos irmãos—
8 Sim, os mesmos que dependiam de vossa proteção, sim, que vos colocaram em posição de poder socorrê-los; sim, vós poderíeis ter-lhes mandado exércitos para reforçá-los e evitado que milhares deles caíssem pela espada.
9 Mas eis que isto não é tudo; haveis deixado de enviar-lhes provisões, de modo que muitos lutaram e perderam a vida em virtude da grande preocupação que tinham com o bem-estar deste povo; sim, e isto fizeram quando estavam prestes a perecer de fome, por causa de vossa enorme negligência para com eles.
10 E agora, meus amados irmãos—pois deveríeis ser amados; sim, deveríeis ter trabalhado mais diligentemente pelo bem-estar e liberdade deste povo; mas eis que o haveis negligenciado, de modo que o sangue de milhares cairá sobre vossa cabeça, clamando vingança; sim, porque conhecidos por Deus foram todos os seus clamores e todos os seus sofrimentos—
11 Eis que pensastes poder sentar-vos em vossos tronos e, por causa da imensa bondade de Deus, nada fazer; e que ele vos livraria? Eis que, se isto pensastes, pensastes em vão.
12 Pensais que a morte de muitos de vossos irmãos tenha sido causada por sua própria iniqüidade? Eu vos digo que, se isto pensastes, pensastes em vão. Digo-vos, pois, que muitos são os que caíram pela espada; e eis que isto é para vossa condenação.
13 Pois o Senhor permite que os justos sejam mortos para que sua justiça e julgamento recaiam sobre os iníquos. Portanto não deveis supor que os justos estejam perdidos por terem sido mortos; mas eis que eles entram no descanso do Senhor seu Deus.
14 E agora, eis que vos digo: Tenho muito medo de que os julgamentos de Deus recaiam sobre este povo por causa de sua extrema indolência, sim, a indolência de nosso governo e sua extrema negligência para com seus irmãos, sim, para com aqueles que foram mortos.
15 Porque, se não fosse pela iniquidade que se iniciou com nossos governantes, poderíamos ter resistido a nossos inimigos, de modo que nenhum poder eles teriam tido sobre nós.
16 Sim, se não fosse pela guerra que surgiu entre nós; sim, se não fosse por esses realistas que tanto derramamento de sangue causaram em nosso meio; sim, se em lugar de havermos lutado entre nós, houvéssemos reunido nossas forças como fizemos até agora; sim, não fosse o anseio de poder e autoridade sobre nós que possuíam os realistas; tivessem eles sido fiéis à causa da nossa liberdade, unindo-se a nós e marchado contra nossos inimigos, em vez de tomarem suas espadas contra nós, causando tanto derramamento de sangue; sim, se tivéssemos marchado contra eles na força do Senhor, teríamos dispersado nossos inimigos, porque isso teria sido feito segundo o cumprimento de sua palavra.
17 Mas eis que agora os lamanitas estão caindo sobre nós, apoderando-se de nossas terras e assassinando nosso povo pela espada, sim, nossas mulheres e nossos filhos; e levando-os também como prisioneiros e fazendo-os sofrer toda sorte de aflições; e isto por causa da grande iniqüidade daqueles que estão buscando o poder e a autoridade, sim, os realistas.
18 Por que deveria eu estender-me sobre este assunto? Porque não sabemos se estais tentando obter autoridade. Não sabemos se vós sois também traidores de nosso país.
19 Ou será que nos negligenciastes por vos achardes no coração de nosso país, cercados de segurança e, por isso, não nos mandastes alimentos nem homens para reforçar nossos exércitos?
20 Haveis esquecido os mandamentos do Senhor vosso Deus? Sim, haveis esquecido o cativeiro de nossos pais? Haveis esquecido as muitas vezes que fomos libertados das mãos de nossos inimigos?
21 Ou pensais que o Senhor continuará a livrar-nos enquanto nos sentamos em nossos tronos e não fazemos uso dos meios que o Senhor nos concedeu?
22 Sim, permanecereis na ociosidade, rodeados de milhares, sim, dezenas de milhares que também permanecem na ociosidade, enquanto nas fronteiras da terra há milhares que estão caindo pela espada, sim, feridos e sangrando?
23 Pensais passar por inocentes aos olhos de Deus, permanecendo inertes a contemplar estas coisas? Eis que vos digo que não. Ora, gostaria de lembrar-vos que Deus disse que se deve limpar primeiro o vaso interior e depois se limpará também o vaso exterior.
24 E agora, a não ser que vos arrependais do que haveis feito e que comeceis a agir e a enviar alimentos e homens, procedendo da mesma forma para com Helamã, a fim de que ele possa defender as partes de nosso país reconquistadas por ele e para que também reconquistemos o restante de nossas terras nessas partes, eis que nos veremos obrigados a não mais batalhar contra os lamanitas até que limpemos nosso vaso interior, sim, o grande cabeça de nosso governo.
25 E a não ser que concordeis com minha epístola e demonstreis um verdadeiro espírito de liberdade e vos esforceis para fortalecer e reforçar nossos exércitos e lhes concedais alimentos para seu sustento, eis que deixarei parte de meus homens livres para defenderem esta parte de nossa terra e deixarei com eles a força e a bênção de Deus, a fim de que nenhum outro poder prevaleça contra eles—
26 E isso em virtude de sua grande fé e paciência nas tribulações—
27 E irei até vós; e se houver algum de vós que aspire à liberdade, sim, se restar ainda uma centelha que seja de liberdade, eis que fomentarei insurreições entre vós até que sejam extintos os que querem usurpar o poder e a autoridade.
28 Sim, eis que não temo vosso poder nem vossa autoridade, mas é a meu Deus que eu temo; e é de acordo com seus mandamentos que empunho minha espada para defender a causa de meu país; e é por causa de vossa iniquidade que sofremos tantas perdas.
29 Eis que é hora, sim, é chegada a hora em que, a não ser que vos apresseis para defender vosso país e vossos pequeninos, a espada da justiça que pende sobre vós cairá sobre vós e visitar-vos-á até vossa completa destruição.
30 Eis que espero vossa ajuda; e a não ser que nos socorrais, eis que irei até vós, sim, na terra de Zaraenla; e golpear-vos-ei com a espada, de modo que já não tereis poder para impedir o progresso deste povo na causa de nossa liberdade.
31 Porque eis que o Senhor não permitirá que vivais e vos torneis fortes em vossas iniqüidades, para destruirdes seu povo justo.
32 Eis que podeis supor que o Senhor vos poupará e condenará os lamanitas, quando foi a tradição dos pais deles que causou seu ódio, sim, e este foi redobrado por aqueles que dissentiram de nós, enquanto a vossa iniquidade teve origem no amor à glória e às coisas vãs do mundo?
33 Sabeis que estais transgredindo as leis de Deus e que as espezinhais. Eis que o Senhor me disse: Se aqueles a quem escolhestes para governantes não se arrependerem de seus pecados e iniqüidades, subireis para batalhar contra eles.
34 E agora eis que eu, Morôni, estou obrigado, segundo o convênio que fiz, a obedecer aos mandamentos de Deus; portanto desejaria que obedecêsseis à palavra de Deus e me enviásseis rapidamente vossas provisões e vossos homens; e também a Helamã.
35 E eis que, se assim não procederdes, irei até vós rapidamente; porque eis que Deus não permitirá que pereçamos de fome; portanto ele nos dará do vosso alimento, ainda que seja pela espada. Agora tratai de cumprir a palavra de Deus.
36 Eis que eu sou Morôni, vosso capitão-chefe. Não busco poder, mas procuro abatê-lo. Não busco as honras do mundo, mas a glória de meu Deus e a liberdade e bem-estar de meu país. E assim termino minha epístola.

63: 1-13
11 Portanto se tornou necessário que, antes de sua morte, Siblon entregasse as coisas sagradas ao filho de Helamã, que se chamava Helamã, sendo chamado pelo nome de seu pai.
12 Ora, eis que todas aquelas gravações que se achavam em poder de Helamã foram transcritas e transmitidas aos filhos dos homens por toda a terra, excetuando-se as partes que Alma havia ordenado que não fossem reveladas.
13 Não obstante, essas coisas deviam ser conservadas como sagradas e transmitidas de uma geração à outra; portanto nesse ano haviam sido confiadas a Helamã, antes da morte de Siblon.

Morôni 1: 1
1 ORA, eu, Morôni, após haver terminado o resumo do relato do povo de Jarede, pensei em não mais escrever; entretanto ainda não pereci; e não me dou a conhecer aos lamanitas, para que não me matem.

Morôni 8: 1
1 Uma epístola de meu pai, Mórmon, escrita a mim, Morôni; e ela foi-me escrita logo após meu chamado para o ministério. E desta maneira ele me escreveu:

Morôni 9: 1
1 Meu amado filho, torno a escrever-te a fim de que saibas que ainda estou vivo; mas escrevo algumas coisas que são penosas.

  4.  Múltiplo e funcional calendário e sistemas de datação.

Alma 51: 37
37 E assim terminou o vigésimo quinto ano em que os juízes governaram o povo de Néfi; e assim terminaram os dias de Amaliquias.

Alma 52:1
1 E então aconteceu, no vigésimo sexto ano em que os juízes governaram o povo de Néfi, que quando despertaram na primeira manhã do primeiro mês, eis que os lamanitas descobriram que Amaliquias estava morto em sua tenda; e também viram que Teâncum estava pronto para atacá-los naquele dia.

Helamã 6:14-16
14 E no sexagésimo quinto ano tiveram também muita alegria e paz, sim, muita pregação e muitas profecias relativas ao que haveria de acontecer. E assim se passou o sexagésimo quinto ano.
15 E aconteceu que no sexagésimo sexto ano do governo dos juízes, eis que Cezorã foi assassinado por mão desconhecida, quando sentado na cadeira de juiz. E aconteceu que no mesmo ano seu filho, que havia sido nomeado pelo povo para substituí-lo, foi também assassinado. E assim terminou o sexagésimo sexto ano.
16 E no começo do sexagésimo sétimo ano o povo começou a ficar extremamente iníquo outra vez.

3 Néfi 2: 8
8 Ora, os nefitas começaram a calcular o tempo a partir da época em que lhes foi dado o sinal, ou seja, da vinda de Cristo; e nove anos haviam-se passado.

5.  Classe mercantil usando sistemas de pesos e medidas

Helamã 6: 8-9
8 E aconteceu que os lamanitas também iam aonde desejavam, tanto entre os lamanitas como entre os nefitas; e, assim, havia livre intercâmbio entre eles para comprar, vender e obter lucro, segundo seus desejos.
9 E aconteceu que se tornaram imensamente ricos, tanto os lamanitas quanto os nefitas; e havia grande abundância de ouro e de prata e de toda sorte de metais preciosos, tanto na terra do sul como na do norte.

Helamã 7: 21
21 Mas eis que é para obterdes lucros, para serdes louvados pelos homens, sim, e para adquirirdes ouro e prata. E haveis colocado o coração nas riquezas e coisas vãs deste mundo; e por elas assassinais e saqueais e roubais e levantais falsos testemunhos contra o próximo, entregando-vos a toda sorte de iniqüidades.

Alma 11: 4-19
4 Ora, estes são os nomes das diversas moedas de ouro e de prata, segundo seu valor. E os nomes foram dados pelos nefitas, porque não contavam segundo a maneira dos judeus que estavam em Jerusalém; nem mediam segundo a maneira dos judeus, mas alteraram seus cálculos e suas medidas segundo a vontade e circunstâncias do povo, em cada geração, até o governo dos juízes, estabelecido pelo rei Mosias.
5 Era este o cálculo estabelecido: Um senine de ouro, um seon de ouro, um sum de ouro e um limna de ouro.
6 Um senum de prata, um amnor de prata, um ezrom de prata e um onti de prata.
7 Um senum de prata equivalia a um senine de ouro, e tanto um como outro valiam uma medida de cevada e também uma medida de todos os tipos de grãos.
8 Ora, o valor de um seon de ouro era duas vezes o valor de um senine.
9 E um sum de ouro era duas vezes o valor de um seon.
10 E um limna de ouro tinha o valor de todas as outras moedas.
11 E um amnor de prata valia tanto quanto dois senuns.
12 E um ezrom de prata valia por quatro senuns.
13 E um onti tinha o valor de todas as outras moedas.
14 Ora, este era o valor dos números menores de seus cálculos—
15 Um siblon era a metade de um senum; portanto, um siblon valia meia medida de cevada.
16 E um siblum era a metade de um siblon.
17 E um leá era a metade de um siblum.
18 Ora, estes eram seus números, segundo seus cálculos.
19 Ora, um antion de ouro era igual a três siblons.

Éter 10: 22
22 E eram muito industriosos; e compravam e vendiam e negociavam uns com os outros, a fim de obter ganhos.

6.  Engenheiros para a construção de templos, torres e estradas de cimento.

2 Néfi 5:16
16 E eu, Néfi, construí um templo; e construí-o conforme o modelo do templo de Salomão, só não tendo sido construído com tantas coisas preciosas, porque elas não existiam naquela terra; portanto não podia ele ser construído como o templo de Salomão. O tipo de sua construção, porém, era igual ao do templo de Salomão; e sua execução era consideravelmente esmerada.

Mosias 2: 1, 7
1 E aconteceu que após Mosias haver feito o que seu pai lhe ordenara e haver feito uma proclamação por toda a terra, o povo congregou-se por toda a terra, a fim de subir ao templo para ouvir as palavras que o rei Benjamim lhes diria.
7 Por ser a multidão tão grande que o rei Benjamim não poderia ensinar a todos dentro dos muros do templo, ele fez construir uma torre, para que assim seu povo pudesse ouvir as palavras que lhes diria.

Mosias 19: 5-6

Helamã 3: 7-11
7 E como eram escassas as árvores na terra, o povo que para lá seguiu se tornou perito em trabalhos de cimento; portanto construíram casas de cimento, nas quais passaram a habitar.
8 E aconteceu que se multiplicaram e espalharam-se e foram da terra do sul para a terra do norte; e espalharam-se de tal forma que começaram a cobrir a face de toda a terra, desde o mar do sul até o mar do norte, do mar do oeste até o mar do leste.
9 E o povo que estava na terra do norte vivia em tendas e em casas de cimento, deixando crescer todas as árvores que brotavam na face da terra, a fim de que mais tarde tivessem madeira para construir suas casas, sim, suas cidades e seus templos e suas sinagogas e seus santuários; e todo tipo de edifícios.
10 E aconteceu que como a madeira era muito escassa na terra do norte, fizeram com que muita madeira lhes fosse enviada por barco.
11 E assim tornaram possível que o povo da terra do norte construísse muitas cidades, tanto com madeira como com cimento.

Helamã 14:24
24 E muitas estradas far-se-ão em pedaços e muitas cidades ficarão devastadas.

3 Néfi 6: 8
E abriram-se muitas estradas e foram feitos muitos caminhos que iam de cidade a cidade e de terra a terra e de lugar a lugar.

3 Néfi 8: 13
13 E romperam-se os caminhos, desnivelaram-se as estradas e muitos lugares planos tornaram-se acidentados.
7.  Artesãos altamente qualificados- trabalhos em metais preciosos, e de cantaria (pedra)

Jarom 1: 8
8 E multiplicamo-nos consideravelmente e espalhamo-nos sobre a face da terra e tornamo-nos imensamente ricos em ouro e em prata e em coisas preciosas; e em excelentes trabalhos de madeira, em edifícios e em maquinaria; e também em ferro e cobre e bronze e aço, fazendo todo tipo de ferramentas de toda espécie para cultivar o solo; e armas de guerra—sim, a flecha pontiaguda e a aljava e o dardo e a lança e todos os preparativos para a guerra.

Ômni 1:20
20 E aconteceu que, durante os dias de Mosias, levaram-lhe uma grande pedra com gravações; e ele interpretou as gravações pelo dom e poder de Deus.

Helamã 6: 11
11 E eis que em ambas essas terras havia todo tipo de ouro e de prata e de minerais preciosos de toda espécie; e havia também hábeis artífices que trabalhavam e refinavam toda espécie de minério; e assim, tornaram-se ricos.

Éter 10: 27
27 E produziam todo tipo de armas de guerra. E faziam todo tipo de trabalhos de execução muito esmerada.

8.  Sociedade guerreira, grandes batalhas, exércitos estruturados, sofisticadas fortificalções.

Alma 49:18-23
18 Ora, eis que os lamanitas não podiam penetrar em seus fortes de defesa por nenhum outro meio a não ser pela entrada, em virtude da altura do parapeito que fora levantado e da profundidade do fosso que haviam cavado em derredor, a não ser pela entrada.
19 E assim estavam os nefitas preparados para destruir todos os que tentassem escalar o forte para nele entrar por qualquer outro meio, atirando-lhes pedras e flechas.
20 Dessa forma estavam eles preparados, sim, um grupo de seus homens mais fortes, com suas espadas e suas fundas, para derrubar todos os que tentassem penetrar em sua fortaleza pela entrada; e assim estavam eles preparados para defender-se dos lamanitas.
21 E aconteceu que os capitães dos lamanitas levaram seus exércitos para a frente da entrada e começaram a contender com os nefitas, com a intenção de penetrar no forte; mas eis que foram rechaçados várias vezes, tendo sido mortos numa grande matança.
22 Ora, quando descobriram que não poderiam dominar os nefitas pela entrada, principiaram a escavar o parapeito de terra, a fim de conseguirem passagem para seus exércitos e poderem lutar em condições de igualdade; mas eis que, nessas tentativas, foram varridos pelas pedras e flechas que lhes eram atiradas; e em vez de encherem os fossos com a terra derrubada do parapeito, encheram-nos em parte com seus mortos e feridos.
3 Assim, os nefitas tinham poder total sobre seus inimigos; e assim os lamanitas tentaram destruir os nefitas até que todos os seus capitães-chefes foram mortos; sim, e mais de mil lamanitas foram mortos, enquanto, no outro lado, nem um só nefita foi morto.

Alma 50: 1-10
Aproximadamente 72–67 a.C.
1 E então aconteceu que Morôni não suspendeu seus preparativos para a guerra, ou seja, para defender seu povo dos lamanitas; pois fez com que seus exércitos, no início do vigésimo ano do governo dos juízes, começassem a cavar, levantando montes de terra ao redor de todas as cidades por toda a terra habitada pelos nefitas.
2 E no alto desses montes de terra fez com que fossem colocadas vigas, sim, estruturas de madeira da altura de um homem, circundando as cidades.
3 E sobre essas estruturas de madeira mandou construir uma paliçada de estacas em toda a volta; e elas eram fortes e altas.
4 E fez com que se levantassem torres mais altas que as paliçadas e, no topo dessas torres, fez construir lugares de defesa, de modo que as pedras e flechas dos lamanitas não pudessem feri-los.
5 E eles estavam preparados para atirar pedras lá de cima, segundo sua vontade e força; e matar todo aquele que tentasse aproximar-se das muralhas da cidade.
6 Assim preparou Morôni fortificações ao redor de todas as cidades de toda a terra, para defendê-las de seus inimigos.
7 E aconteceu que Morôni fez com que seus exércitos marchassem para o deserto leste; sim, e eles avançaram e expulsaram todos os lamanitas que estavam no deserto leste para suas próprias terras, que ficavam ao sul da terra de Zaraenla.
8 E a terra de Néfi estendia-se, em linha reta, do mar do leste para o oeste.
9 E aconteceu que quando Morôni expulsou todos os lamanitas do deserto leste, que ficava ao norte das terras sob seu domínio, fez com que os habitantes que estavam na terra de Zaraenla e arredores avançassem para o deserto leste, até as fronteiras do mar, e tomassem posse da terra.
10 E ele também colocou exércitos ao sul, nas fronteiras de seus territórios, e fez com que fossem construídas fortificações que pudessem proteger os exércitos e o povo das mãos de seus inimigos.

Alma 51: 22-37
21 E assim Morôni pôs fim àqueles realistas, de modo que não restou homem algum que fosse conhecido pela denominação de realista; e, desta maneira, pôs fim à obstinação e ao orgulho daqueles que diziam ter sangue nobre; e foram obrigados a ser humildes como seus irmãos e a lutar valentemente em defesa de sua liberdade.
22 Então aconteceu que, enquanto Morôni estava assim acabando com as guerras e contendas entre seu próprio povo, sujeitando-o à paz e à civilização e fazendo regulamentos a fim de preparar-se para a guerra contra os lamanitas, eis que os lamanitas penetraram na terra de Morôni, situada nas fronteiras perto do mar.
23 E aconteceu que os nefitas não estavam suficientemente fortes na cidade de Morôni e, por isso, foram expulsos por Amaliquias, que matou muitos deles. E aconteceu que Amaliquias tomou posse da cidade, sim, apoderou-se de todas as suas fortificações.
24 E os que fugiram da cidade de Morôni foram para a cidade de Nefia; e também os habitantes da cidade de Leí reuniram-se e prepararam-se, ficando prontos para enfrentar os lamanitas.
25 Mas aconteceu que Amaliquias não permitiu que os lamanitas atacassem a cidade de Nefia, mas conservou-os perto do mar, deixando homens em todas as cidades para mantê-las e defendê-las.
26 E assim seguiu ele ocupando muitas cidades, a cidade de Nefia e a cidade de Leí e a cidade de Moriânton e a cidade de Ômner e a cidade de Gide e a cidade de Muleque, as quais ficavam todas situadas nas fronteiras do leste, perto do mar.
27 E assim, pela astúcia de Amaliquias, com suas inúmeras hostes os lamanitas se haviam apoderado de muitas cidades, as quais estavam todas fortificadas solidamente segundo o tipo das fortificações de Morôni; e todas elas serviram de fortaleza para os lamanitas.
28 E aconteceu que marcharam para as fronteiras da terra de Abundância, fazendo os nefitas retrocederem e matando muitos deles.
29 Mas aconteceu que foram enfrentados por Teâncum, que havia matado Moriânton e detido a fuga de seu povo.
30 E aconteceu que ele também deteve Amaliquias, que marchava com seu numeroso exército para apoderar-se da terra de Abundância e também da terra do norte.
31 Mas eis que Amaliquias ficou grandemente desapontado ao ser repelido por Teâncum e seus homens, que eram grandes guerreiros; pois cada um dos homens de Teâncum sobrepujava os lamanitas em força e destreza de guerra, de modo que obtiveram vantagem sobre os lamanitas.
32 E aconteceu que eles os atacaram e mataram até o escurecer. E aconteceu que Teâncum e seus homens armaram suas tendas nas fronteiras da terra de Abundância; e Amaliquias armou suas tendas na praia, nas fronteiras junto à costa; e deste modo foram eles rechaçados.
33 E aconteceu que, depois de anoitecer, Teâncum e seu servo saíram furtivamente e dirigiram-se ao acampamento de Amaliquias; e eis que o sono os havia dominado em virtude de sua grande fadiga, causada pelos labores e pelo calor do dia.
34 E aconteceu que Teâncum penetrou secretamente na tenda do rei e atravessou-lhe o coração com uma lança; e causou a morte imediata do rei, de modo que não chegou a despertar seus servos.
35 E regressou secretamente ao seu acampamento e eis que seus homens dormiam; e despertou-os e relatou-lhes tudo o que havia feito.
36 E fez com que seus exércitos ficassem de prontidão, por medo de que os lamanitas tivessem despertado e fossem atacá-los.
37 E assim terminou o vigésimo quinto ano em que os juízes governaram o povo de Néfi; e assim terminaram os dias de Amaliquias.

Alma 53: 3-5
3 E aconteceu que depois de haverem os lamanitas terminado de sepultar seus mortos e também os mortos dos nefitas, foram levados de volta à terra de Abundância; e Teâncum, por ordem de Morôni, fez com que eles começassem a trabalhar na construção de um fosso ao redor da terra, ou seja, da cidade de Abundância.
4 E fez com que eles construíssem um parapeito de madeira sobre a borda interior do fosso; e eles atiraram a terra desse fosso contra o parapeito de madeira; e assim fizeram com que os lamanitas trabalhassem até cercar a cidade de Abundância com uma forte muralha de madeira e terra, de grande altura.
5 E a partir daí, essa cidade tornou-se uma grande fortaleza; e nessa cidade mantiveram os prisioneiros lamanitas; sim, dentro de uma muralha que os haviam feito levantar com as próprias mãos. Ora, Morôni foi obrigado a fazer com que os lamanitas trabalhassem, porque era fácil vigiá-los enquanto trabalhavam; e ele desejava utilizar todas as suas forças quando fosse atacar os lamanitas.

9.  Alianças tribais por via de casamentos

Alma 17: 24
24 E aconteceu que o rei Lamôni ficou muito satisfeito com Amon e ordenou que lhe desatassem as cordas; e desejava que Amon tomasse uma de suas filhas para esposa.

Alma 47: 35
35 Não tinham, portanto, medo de Amon, pois supunham que um de seus homens poderia matá-lo segundo seu prazer, porque não sabiam que o Senhor havia prometido a Mosias livrar seus filhos das mãos deles; nem sabiam nada a respeito do Senhor; portanto se deleitavam em destruir seus irmãos e, por isso, espalhavam os rebanhos do rei.

10. Contínuas lendas a respeito de um deus branco e barbado.

3 Néfi 11: 8-14
8 E aconteceu que, ao entenderem, voltaram outra vez os olhos para o céu; e eis que viram um Homem descendo do céu; e ele estava vestido com uma túnica branca; e ele desceu e colocou-se no meio deles; e os olhos de toda a multidão estavam voltados para ele e não se atreviam a abrir a boca, nem sequer uns para os outros; e não sabiam o que aquilo significava, porque supunham que era um anjo que lhes aparecera.
9 E aconteceu que ele estendeu a mão e falou ao povo, dizendo:
10 Eis que eu sou Jesus Cristo, cuja vinda ao mundo foi testificada pelos profetas.
11 E eis que eu sou a luz e a vida do mundo; e bebi da taça amarga que o Pai me deu e glorifiquei o Pai, tomando sobre mim os pecados do mundo, no que me submeti à vontade do Pai em todas as coisas desde o princípio.
12 E aconteceu que quando Jesus pronunciou estas palavras, toda a multidão caiu por terra; porque se lembraram de que havia sido profetizado entre eles que Cristo lhes apareceria depois de sua ascensão ao céu.
13 E aconteceu que o Senhor lhes falou, dizendo:
14 Levantai-vos e aproximai-vos de mim, para que possais meter as mãos no meu lado e também apalpar as marcas dos cravos em minhas mãos e em meus pés, a fim de que saibais que eu sou o Deus de Israel e o Deus de toda a Terra e fui morto pelos pecados do mundo.

Todos os critérios acima devem ser encontrados num lugar demarcado por uma estreita faixa de terra (Alma 22:32) e um grande rio correndo de norte a sul .

Alma 22 :32
32 E assim, a distância entre o mar do leste e o mar do oeste, pela fronteira entre Abundância e a terra de Desolação, era o equivalente a um dia e meio de viagem para um nefita. E assim, a terra de Néfi e a terra de Zaraenla estavam quase que rodeadas por água, havendo uma pequena faixa de terra entre a terra do norte e a terra do sul.

Alma 16: 6-7
6 E aconteceu que Alma inquiriu o Senhor sobre este assunto. E Alma voltou e disse-lhes: Eis que os lamanitas atravessarão o rio Sidon no deserto do sul, bem acima das fronteiras da terra de Mânti. E eis que ali os encontrareis, a leste do rio Sidon; e lá o Senhor vos entregará vossos irmãos que foram levados cativos pelos lamanitas.
7 E aconteceu que Zorã e seus filhos atravessaram o rio Sidon com seus exércitos e marcharam para muito além das fronteiras de Mânti, no deserto do sul, situado no lado leste do rio Sidon.

Alma 22: 27
27 E aconteceu que o rei enviou uma proclamação por toda a terra, a todo o seu povo que vivia em toda a sua terra, que vivia em todas as regiões circunvizinhas, terra que confinava com o mar a leste e a oeste e que era dividida da terra de Zaraenla por uma estreita faixa de deserto que se estendia do mar do leste ao mar do oeste e contornava a costa e as fronteiras do deserto que ficava ao norte, perto da terra de Zaraenla, através das fronteiras de Mânti, à cabeceira do rio Sidon, correndo de leste para oeste—e assim estavam os lamanitas separados dos nefitas.

Alma 50: 11
11 E assim isolou todas as fortificações dos lamanitas no deserto leste; sim, e também no oeste, fortificando a linha divisória dos nefitas e lamanitas entre a terra de Zaraenla e a terra de Néfi, desde o mar do oeste, passando pela cabeceira do rio Sidon—ocupando os nefitas toda a terra do norte, sim, toda a terra situada ao norte da terra de Abundância, de acordo com sua vontade.

Além disso, esses critérios devem ser encontrados no Hemisfério Ocidental, num local desconhecido por Joseph Smith em 1829.



“O Livro de Mórmon” não declara em que oceano o Rio Sidon deságua, portanto sua foz não é conhecida.


Alma 22:32
32 E assim, a distância entre o mar do leste e o mar do oeste, pela fronteira entre Abundância e a terra de Desolação, era o equivalente a um dia e meio de viagem para um nefita. E assim, a terra de Néfi e a terra de Zaraenla estavam quase que rodeadas por água, havendo uma pequena faixa de terra entre a terra do norte e a terra do sul.

Helaman 3:8
8 E aconteceu que se multiplicaram e espalharam-se e foram da terra do sul para a terra do norte; e espalharam-se de tal forma que começaram a cobrir a face de toda a terra, desde o mar do sul até o mar do norte, do mar do oeste até o mar do leste.

Observe que nenhuma passagem declara que a parte do território mencionado se estende do mar do leste ao mar do oeste, apenas do mar do oeste para um lugar a uma distância relativamente curta para o leste. A linha entre as terras de Abundância e Desolação ficava numa posição que exigia fortificações específicas, não significando que tais fortificações se estendessem por todo o caminho do mar do leste ao lar do oeste.


Não há local na Mesoamérica ou na América Central, incluindo o Istmo do Panamá, onde uma pessoa pudesse viajar de um oceano ao outro, através de densa vegetação e sobre montanhas, numa jornada de um dia e meio.


As distâncias no Livro de Mórmon não são dadas em unidades de medidas lineares mas em unidades de tem levado para viajar de um lugar para outro. Essas aproximações presumem que a distância viajada em um dia é de aproximadamente 9,5 a 12 km.

Mapa da Mesoamérica no Google Earth

Joseph Smith, como Editor Chefe do periódico da Igreja chamado Times and Seasons em 1842, ficou impressionado pelas similaridades das ruínas das cidades descritas por John L. Stephens descritas em seus livros. Ele recebeu cópias desses livros do Elder John M. Bernhisel, o qual os obteve pouco depois de serem publicados na cidade de Nova York em 1842.



“O resumo seguinte foi feito para auxiliar os Santos dos Últimos Dias no estabelecimento do Livro de Mórmon como revelação de Deus. Nos dá grande alegria ter o mundo nos ajudando com tantas provas, que mesmo o mais crédulo não pode duvidar; entretanto, voltemos para o nosso assunto, O Livro de Mórmon, onde essas poderosas ruínas de Palenque estão entre as poderosas obras dos nefitas”. (Times and Seasons, Vol. 3, No. 22, September 15, 1842, page 914)

“A cidade de Zaraenla, queimada na crucificação do Salvador, e reconstruída depois, está sobre esta terra...”

“... as ruínas de Zaraenla devem ser encontradas onde os nefitas as deixaram...”

“Não é o nosso intuito declarar positivamente que as ruínas de Quiriguá são as ruínas de Zaraenla, mas quando a terra e as pedras e os livros contam uma história tão simples...”

“Não é um mal plano comparar as ruínas das cidades do Sr. Stephens com as ruínas do Livro de Mórmon.” (Times and Seasons, Vol. 3, No. 23, October 1, 1842, page 927)

Os três recortes de jornal seguintes mostram a extensão da inundação que pode ocorrer no estado de Tabasco, México, ao longo da costa do golfo e um das mais notáveis localizações correlacionadas com as indicações do Livro de Mórmon.

https://ci4.googleusercontent.com/proxy/TqrykG3a8TU9c0dAsrIZQzvOCeXE7Ek7pWAFHBZsMuElv04t7_rsUoGHVLUq4MOmyHz7l0FNh7JSoxO_YZcANfEvvRZuo146ophJSpjq=s0-d-e1-ft#http://www.bmaf.org/files/image/Flood%20clipping%202.jpg

https://ci4.googleusercontent.com/proxy/kyUyQiWne10vKCXU5hHTY3grJaMMDpTNr20Gi_3AgSrVLCrxZpGootWzFQ2V2jeFXEl4x5FXiH4mSBVLYyFoq9iwz9OImUKNNu-4OCPJ=s0-d-e1-ft#http://www.bmaf.org/files/image/Flood%20clipping%203.jpg



Muitas culturas antigas não olhavam, e ainda não olham, para suas direções com referências específicas aos pontos cardiais da bússola como o fazem as mais modernas culturas ocidentais.  




https://ci3.googleusercontent.com/proxy/0AqI88tpELT8Yd27is3Pwwt44Ve0Ca2bC42N4HMb5r1BZ43cDWEN1fO0Td9Ja7LXOjlLHq4jaVcjShFBKvpFtXFZoDWcHRq1-A8NAr5yioth7QQ=s0-d-e1-ft#http://www.bmaf.org/files/image/Mesoam_%20Flooded%20areas.jpg



Os cinco modelos seguintes são alguns das mais recentes e bem pensadas  idéias de onde muitos dos locais mencionados no Livro de Mòrmon podem razoavelmente estar localizadas. Os modelos são apresentados em capas de um ou dois livros por seus autores, seguido pelo mapa mesoamericano com as respectivas idéias apresentadas, e então seguidas por algum material em forma textual. 


Características do Modelo de John Sorenson Model
(Antropólogo)




Monte Cumôra/Ramá é o Monte Vigia, na cadeia de montanhas Tuxtla, bem ao norte do Istmo de Tehuántepec.


Monte Sim é a cadeia de montanhas Tuxtla, em Veracruz, Mexico

Estreita Faixa de Deserto que separa as terras de Zaraenla e Néfi, vai diretamente do norte ao sul a leste de Chiapas e leste da Guatemala.

A fim de orientar seu mapa para que as terras do Livro de Mórmon mencionadas como estando nas direções norte e sul uma da outra, ele emprega um sistema direcional que é cultural (algo parecido com o que outros grupos têm usado no passado e ainda o fazem em outras partes do mundo) e não como nós entendemos as direções cardinais.

No mapa, isto é chamado de o “Norte Nefita”, uma designação que outros estudiosos têm aplicado em seus conceitos, apesar de que ele mesmo não o use.

Nesta abordagem, o Golfo do México seria o Mar do Leste; o Oceano Pacífico seria o Mar do Leste.


A rosa dos ventos mostrando as quatro direções cardinais, as quatro direções ordinais e as oito divisões adicionais.

A mencionada cadeia de cidades costeiras, com a cidade de Morôni estando no extremo sul e a cidade de Abundância estando no extremo norte, está ao longo da costa do Golfo de Veracruz e Tabasco; e da desembocadura dos rios Grijalva e Usumacinta até o Istmo de Tehuántepec a distância é de quase 120 km. Por esse método, ignora-se a vasta Península de Yucatán como estando em território lamanita e, portanto, dora do conhecimento dos mantenedores dos registros nefitas.   


A Terra de Abundância é bem menor e fica entre a Terra de Desolação na Estreita Faixa e a Terra de Zaraenla, que é maior, ao sul.
Rio Sidon é o Rio Grijalva.


Terra de Néfi são os Altiplanos da Guatemala.


WAs Águas de Mórmon provavelmente o Lago Atitlán.


Terra da Primeira Herança, a Guatemala – fronteiras de El Salvador.


Ruínas arqueológicas atuais ou locais propostos como as terras do Livro de Mórmon:


Acayucan, México – Jashon
Amatenango, México – Cumêni
Amatitlán, Guatemala – Shemlon
Antigua, Guatemala – Midôni
Canchon, Guatemala – Lemuel
Chiapa de Corzo, México – Sidom
Chicomuselo, México – Judea
Chimatenango, Guatemala – Ismael
Chontalpa, México – Nefia
Frailesea, México – Meleque
Guajilar, México – Zezrom
Huehuetenango, Guatemala – Vale de Alma  
Izapa, México – Cidade perto do mar
Kaminaljuyú, Guatemala – Cidade de Néfi
Kaminaljuyú Vale, Guatemalla – Shilom
Laguna Mecoacan, México – Moroni
La Libertad, México – Mânti
La Venta, México – Cidade de Muleque
Huayapan, México – Terra de Sem
Macuspana, México – Terra de Sirom
Mirador, México – Amonias
Motozintla, México – Antipara
Oaxaca, México – Moron
Ocozocuautla, México – Noé
Pilapan, México – Teancum
Pinula, Guatemala – Shimnilon
Río Blanco, Guatemala – Jacobugat
Sacatepequez, Guatemala – Midiam
San Isidro, México – Aaron
San Lucas Toliman, Guatemala – Ani-Anti
San Miguel, México – Terra de Jershon
Santa Rosa, México – Zarahenla
Santiago Atitlán, Guatemala – Jerusalém
Teapa, México – Terra de Antionum
Tonalá, México – Terra de Joshua


Características do Modelo de Joseph Allen
(Pesquisador, Instrutor do SEI)




Estreita Faixa de Terra, o Istmo de Tehuántepec, México.


Monte Cumôra/Ramá, é o Monte Vigía, na Cadeia de Montanhas de Tuxtla, bem a noroeste do Istmo de Tehuántepec.


Estreita Faixa de deserto separando as terras de Zaraenla das terras de Néfi, é a cadeia de montanhas de Cuchumatanes, que vão de um a outro mar (Golfo de Honduras ao Oceano Pacífico) através do sul da Guatemala.


Aceita as direções cardinais conforme o entendimento atual, assim o Mar do Leste é o Golfo de Honduras e o Mar do Oeste é o Oceano Pacífico. O Golfo do México em vez de ser chamado de Mar do Norte é “... o lugar onde o mar divide a terra”.


The Gulf of Mexico in 3D perspective
Éter 10
20 “E construíram uma grande cidade perto da faixa estreita de terra, perto do lugar onde o mar divide a terra.”


A mencionada cadeia de cidades costeiras, com a cidade de Morôni estando mais ao sul e a cidade de Abundância mais ao norte, estando ao longo da costa leste de Belize  e ao sul de Yucatán, a distância é de aproximadamente 338 km.
Ele usa um versículo (Alma 22:31) para designar toda a terra ao norte do Istmo de Tehuántepec como a Terra de Desolação; toda a terra ao sul, inclusive a Terra de Néfi, como a Terra de Abundância.


Alma 22
31 “E daí subiram até o deserto do sul. E assim foi que a terra do norte se chamou Desolação e a terra do sul se chamou Abundância, sendo ela o deserto que é cheio de todo tipo de animais selvagens de toda espécie, uma parte dos quais havia vindo da terra do norte à procura de alimento.”


Isto infere que a Terra de Zaraenla é uma subsidiária da cidade maior, ou seja, a Terra de Abundâcia, This infers that the Land of Zarahemla is a subsidiary of the greater Land Bountiful, ao invés do contrário, de acordo com a maioria dos pesquisadores. A maioria dos vercículos que mencionam as terras de Abundância e Zaraenla inferem que Abundância é a menor e uma subseção da terra de Zaraenla.


3 Nephi 3
23 “E a terra designada foi a terra de Zaraenla e a terra que ficava entre a terra de Zaraenla e a terra de Abundância, sim, até a linha que dividia a terra de Abundância da terra de Desolação.


Dessa maneira temos a Terra de Abundância confinando a Terra de Desolação na Estreita Faixa, mesmo apesar de a Cidade de Abundância estar a mais de 1600 km a leste, através da Península de Yucatán, na costa leste do México.


A Península de Yucatán é  a maior parte da Terra de Abundância.


O Rio Sidon é o Rio Grijalva.


A Terra de Néfi são os Altiplanos da Guatemala.   


As Águas de Mórmon provavelmente lão o Lago Atitlán.


A Águas de Ripliâncumi é a Bacia de Papaloapan, no estado de Veracruz.


A Terra da Primeira Herança é Izapa, no sul do Mexico.


Ruínas ou sítios arqueológicos propostos como localidades do Livro de Mórmon:


Cerros, Belize – Mulek
Chiapa de Corzo, Mexico – Sidom
Kaminaljuyú, Guatemala – Cidade de Néfi
Laman Ayin, Belize – Jershon
La Venta, México – Jaredite Cidade de Lib
San Lorenzo, México – Kish/Desolação (cidade jaredita)
Teotihuacán, Mexico – Jacobugath


Características do Modelo de Richard Hauck
(Arqueólogo)


A Estreita Faixa de Terra é um corredor de aproximadamente 40 km de comprimento, entre o Oceano Pacífico e Sierra Madre, em Chiapas, México, que leva ao Istmo de Tehuántepec.


O Monte Cumôra/Ramá  fica ma cadeia de montanhas de Tuxtla, um pouco a nordeste do Monte Vigia, exatamente a noroeste do Istmo de Tehuántepec.


A Estreita Faixa de Deserto sque separa as terras de Zaraenla e Néfi é Sierra de las Minas, leste, se fundindo com a cadeia de montanhas de Cuchumatanes no oeste e se ligando com Sierra Madre a oeste, indo de mar a mar através da região sul da Guatemala.


Aceita as direçoes cardinais como presentemente entendida, de modo que o Mar do Leste seria o Golfo de Honduras e o Mar do Oeste seria o Oceano Pacífico, conforme reconhecido pelos nefitas que viviam na Terra de Zaraenla. O Mar do Sul seria uma parte do Oceano Pacífico perto do Mar do Oeste; o Mar do Norte seria o Golfo do Mèxico, conforme reconhecido pelos nefitas que viviam na Terra do Norte.


A cadeia de cidades costeiras: estão situadas ao redor do Lago Izabal e a norte quase na fronteira de Belize, uma distância de menos de 100 km. Izabal se conecta com o Golfo de Honduras através de um rio bastante largo, de modo que o lago e o rio são uma extensão do mar.


Lago de Izabal, também conhecido como Golfo Doce, é o maior lago na Guatemala, tendo uma área de superfície correspondente a 589.6 km² e uma profudidade máxima de 18 metros. O Rio Polochic é o maior rio que deságua nesse lago, que é o único a um metro acima do nível do nar e deságua no Golfo de Honduras, no Mar do Caribe através do pequeno Golfete Dulce, o qual está ao nivel do mar e o navegável Rio Dulce. É o lar de várias espécie de animais, inclusive do peixe-boi, jaguar, macaco aranha e do macaco bugio, e é um lugar maravilhoso para a observação de pássaros.


O Golfo de Honduras no centro do mapa


A Terra de Zaraenla seria nas planícies de Petén, na região central da  Guatemala, na área dos Nove Montes, ao longo do Rio Usumacinta, que seria o Rio Sidon.


A Terra de Abundância, a Terra de Zaraenla e a Terra do Sul seriam todos sinônimos com respeito a terras maiores. Terras locais menores usualmente estão associadas às suas respectivas cidades.

O Rio Sidon seria o Rio Río Usumacinta, e seus tributários: Rio Chixoy e Rio Negro.
Terra de Néfi são os altiplanos da Guatemala, incluindo o Vale Rio Montagua e não se estendendo muito para Honduras e El Salvador.

Águas de Mórmon provavelmente na drenagem do Vale Salamá Valley ao norte da cidade de Néfi.

Águas de Ripliancum é a bacia de Papaloapan no estado de Veracruz.

Terra da Primeira Herança fica perto de Tapachula e Izapa, no México.

Atuais ruínas ou sítios arqueológicos propostos como cidades do Livro de Mórmon.

Aguacatan/Xolchun, Guatemala – Zeezrom
Cambote, Guatemala – Cumeni
Castile San Felipe, Guatemala – Jershon
Chamá, Guatemala – Melek
Cobán, S. Juan Carchas, El Paraiso, Guat. – Manti region
El Portún/Log Mangales, Guatemala, locality – Shemlon
Izapa, Mexico – Judea
La Laguna/Tzalcam (Salamá Valley), Guat.– City of Nephi
Nine Hills, Guatemala – Zarahemla
San Juan/Salamá, Guatemala, locality – Shilom
Ttocapan/Pollinapan, Mexico – Cumorah/Ramah battlefield
Tzutzuculi, Mexico – City Desolation




Rio Usumacinta, visto de Chiapas. Na margem mais distante fica a Guatemala


Características do Modelo de Garth Norman
(Arqueólogo)


A Estreita Faixa de Terra seria o Istmo de Tehuántepec, México.


A Estreita Passagem seria a planície costeira de Tehuántepec junto ao Pacífico.


O Monte Cumôra/Ramá seria o vulcão San Martín, na cadeia de montanhas de Tuxtla, bem a noroeste do Istmo deTehuántepec.

A Estreita Faixa de Deserto que separa as terras de Zaraenla e Néfi seriam as cordilheiras dos Cuchumatanes e Las Minas.


A espectacular Serra dos Cuchumatanes é a região não-vulcânica mais alta de toda a costa da América Central.É uma meia-lua que vai desde a cidade vizinha de Chiapas, no México, a noroeste, até as montanhas de Verapaces, ao leste, atravessando os departamentos de Huehuetenango e El Quiché, cobrindo aproximadamente 15 % do território nacional.


Aceita as direções cardinais como presentemente compreendidas, de modo que o Mar do Leste seria o Golfo de Honduras bem como a parte leste do Golfo do México, e o Mar do Oeste o Oceano Pacífico. O mar do sul, sul da Terra do Norte, seria o Oceano Pacífico, junto ao Mar do Oeste; o Mar do Norte seria o Golfo do México.

Huehuetenango
http://altiplanos.com.gt/images/tours/fullday/02_huehuetenango.jpg


As cidades costeiras de Zaraenla mencionadas estando no extremo sul e Abundância estando no extremo norte é dividida entre as frentes de defesa sul e norte. A resumida história de batalhas não incluem a cidade de Ômner, o que dá lugar à travessia da Península de Yucatan. Moroni ficaria localizada nas fronteiras de Belize e Guatemala, então as cidades ficariam localizadas ao norte, ao longo da costa nas fronteiras de Beliize e Yucatan, para oeste até o Golfo Aguacatal, em seguida ao longo da costa do México até a cidade de Abundância na Estreita Faixa, uma distância de aproximadamente 1 km.


Alma 51: 26
26 E assim seguiu ele ocupando muitas cidades, a cidade de Nefia e a cidade de Leí e a cidade de Moriânton e a cidade de Ômner e a cidade de Gide e a cidade de Muleque, as quais ficavam todas situadas nas fronteiras do leste, perto do mar.


A Terra de Zaraenla seria o estado de Chiapas e norte de Guatemala.


A Terra de Abundância seria a pequena área de Veracruz e Tabasco, encontrando o Mar Oeste na fronteira de Chiapas e Oaxaca.


O Rio Sidon seria o Rio Usumacinta.


A Terra de Néfi Nephi ficaria nos Altiplanos da Guatemala.


As Águas de Mórmon provavelmente seria um lago de águas cristalinas perto de Antigua, Guatemala (Vale de Chimaltenango).


A Águas de Ripliâncum seria a bacia de Papaloapan Water Basin of Veracruz state.


Terra da Primeira Herança é Usulutan, El Salvador, bem ao sul das fronteiras da Guatemala.


Satellite picture of the Papaloapan River ending at the Gulf of Mexico


Atuais ruinas arqueológicas ou locais propostos como cidades do Livro de Mórmon.


Aguacatal, Bellote, ou Comalcalco, México – Gid
Altar de Sacrificios, Mexico – Melek
Antigua – Mórmon
Belize, Becán, ou Edzna, Campeche – Omner
Cambote e Salcaja, Guatemala – Cumeni
Chiapa de Corzo – Davi
Cholula – Shem
Cobán, Alta Verapaz, Guatemala – Manti
Dos Pilas, México – Sidom
El Jobo, México – Cidade perto do mar
El Sitio, México – Antiparah
Falsa Cay, Big Creek, Belize – Leí
Izapa, Soconusco, México – Judeia
Juchitan, Oaxaca, Mexico – Cidade de Desolação
La Florida, Guatemala – Gideon
La Lagunita, Guatemala – Zeezrom
La Venta, México – Cidade de Lib
La Venta ou Comalcalco, México – Muleque
Lago Atitlán – Jerusalem
Machaquia, Guatemala – Antionum
Minatitlán, Veracruz, México – Cidade de Abundância
Monte Albán – Jordã
Palenque: Nueva Esperanza, Mexico – Zarahemla
Poptún ou Caracol, Belize – Aaron
Río Azul, Belize – Morianton
Ruínas de San Felipe, Guatemala – Siron
Sibal, México – Noé
Punta Gorda, Belize – Moroni
Teotihuacán – Antum  
Kaminaljuyú, Guatemala – Néfi
Tikal, Guatemala – Amonia
Tonalá – Joshua
Tzimin Kax, Belize – Nefiá
Valpariso, Alta Verapaz, Guatemala – Helam
Xunantunich ou Lamanai, Belize – Jershon
Caracetrísticas do Modelo de John L. Lund
(Pesquisador; Instrutor do SEI)


A Estreita Faixa de Terra seria o Istmo de Tehuántepec, México.
O Monte Cumôra/Ramá seria o Monte Vigia na cadeia de montanhas de Tuxtla bem ao noroeste do Istmo de Tehuántepec.

A Estreita Faixa de Deserto separando as terras de Zaraela e Néfi seria a cadeia de Chumatanes.

A cadeia costeira de cidades mencionada, com Morôni estando no extremo sul e Abundância no extremo norte estão ao longo da costa leste da Guatemala e Belize, até Chetumal,  no sul de Yucatán, México, uma distância de aproximadamente 340 km.

A Terra de Abundância seria ligeiramente mais larga que a Terra de Zaenla, indo do Istmo de Tehuántepec através da planície de Veracruz, Tabasco, o terço setentrional da Guatemala até a Península de Yucatán.

Sua determinação para o Rio Sidon sendo ou o Rio Grijalva ou o Rio Usumacinta não está decidida.

Citando o Profeta Joseph Smith, ele considera o local de desembarque da colônia de Leí bem ao sul do Istmo de Darien, no oeste da Colômbia e do Panamá, então se jornadeando através do Istmo de (Panamá) até as fronteiras da Guatemala com o México, próximo a Tapachula, México, junto de Izapa, que ele considera a Terra da Primeira Herança.


Chiutinamit, Guatemala – Cidade de Onia
El Mirador, México – Cidade de Abundância
Kaminaljuyú, Guatemala – Cidade de Néfi
Lago Izabal, Guatemala– Siron

Os critérios alistados no começo, junto com as declarações do Profeta Joseph Smith, e suas observações e suposições mencionadas Times and Seasons, sugere fortemente que os eventos do Livro de Mórmon aconteceram na Mesoamérica. Quase todos os estudiosos e pesquisadores SUDs têm chegado a esta conclusão. Os cinco modelos geográficos apresentados demonstram que há muitas e diferentes ideias e conceitos de onde possivelmente estão localizadas muitas das cidades mencionadas ou discutidas no Livro de Mórmon. Devido ao fato de que não tem havido nenhuma revelação aos oficiais presidentes e concelhos d’A Igreja quanto a onde estes lugares estão situados, os leitores do Livro de Mórmon são deixados a pensar por si mesmos quanto a onde, no Novo Mundo )Mesoamérica) estão situadas as várias cidades e terras mencionadas no livro. Temos a esperança de que este artigo e os cinco modelos apresentados aqui encorajarão aos leitores a examinarem a região da Mesoamérica mais cuidadosamente.

A despeito do interesse e das milhares de horas de pesquisas e viagens pela Mesoamérica, pesquisando por indicações ou confirmações dos locais mencionados no Livro de Mórmon, não esqueçamos o que o Presidente Gordon B. Hinckley disse a respeito desse assunto:

“A evidência para sua verdade, para sua validade num mundo que é propenso a exigir evidência, não reside na arqueologia ou antropologia, embora estas ciências possam ser úteis para alguns. Ela não reside na investigação da palavra ou na análise histórica, embora elas possam ser confirmatórias. A evidência para sua verdade e validade reside dentro das capas do próprio livro. O teste de sua verdade reside em lê-lo. Ele é um livro de Deus. Pessoas razoáveis podem sinceramente questionar sua origem; mas aqueles que o têm lido em espírito de oração têm chegado a saber por um podem além de seus sentidos naturais, que ele é verdadeiro, que ele contém a palavra de Deus, que ele delineia verdades salvadoras do evangelho eterno, que ele “veio pelo dom e poder de Deus... para convencer ao judeu e ao gentio de que Jesus é o Cristo.”