NOSSA MISSÃO

Divulga artigos de pesquisas científicas escritos por cientistas e pesquisadores SUD.s e não SUD.s, profissionais e amadores, a respeito da arqueologia, antropologia, geografia, sociologia, cronologia, história, linguística, genética e outras ciências relacionadas à cultura de “O Livro de Mórmon - Outro Testamento de Jesus Cristo”, uma das quatro obras padrão de “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”.

O Livro de Mórmon conta a história dos descendentes do povo de Leí, (profeta da casa de Manassés), que saiu de Jerusalém no ano 600 a.C. (pouco antes do Cativeiro Babilônico) e viajou durante 8 anos pelo deserto da Arábia às margens do Mar Vermelho, até chegar na América (após 2 anos de navegação), desembarcando provavelmente em algum lugar da Mesoamérica (região que inclui o sul do México, Guatemala, Belize, El Salvador, Honduras, Nicarágua e parte de Costa Rica), mais precisamente a região vizinha à cidade de Izapa, no sul do México, onde, presumem os estudiosos, tenha sido o local de assentamento da primeira povoação desses colonizadores hebreus .

Este blog não é patrocinado nem está ligado oficialmente a qualquer denominação religiosa. Todo conteúdo apresentado aqui representa a opinião e é de total e exclusiva responsabilidade de seus autores, que sempre estão devidamente identificados.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

ARQUEOLOGIA - Placas de Ouro na América Pré Colombiana

Daniel Johnson


http://2.bp.blogspot.com/-q2ZWlQXJqnU/UhnKuBVOpNI/AAAAAAAABjA/xTgcZIIFzHU/s1600/us2.jpg
danjohn8@comcast.net

igonzals@gmail.com

Traduzido (do espanhol) por: Elson C. Ferreira-Curitiba/Brasil-Abril/2011
www.de-jerusalem-as-americas.blogspot.com

Daniel Johnson é membro do Book of Mormon Archaeological Forum (BMAF-Forum Arqueológico do Livro de Mórmon) e principal autor de  An LDS Guide to Mesoamerica (Um Guia SUD para a Mesoamérica). O Irmão Johnson compartilha a apresentação que fez em Outubro/2010 na Conferência do BMAF. Mesmo que não a tenha assistido, você não pode deixar de ler o presente artigo. 

Ouça a apresentação de Daniel Johnson  sincronizada com todos os seus gráficos. Aprenda exatamente o que O Livro de Mórmon diz a respeito do uso de metais. 

Veja como os necessários depósitos de minério correspondem com as sugestões de local registradas no Livro de Mórmon.

Aprenda sobre os fascinantes artefatos de ouro, cobre, bronze e aço das escavações já conhecidas, incluindo exemplos maias de escrita hieroglífica sobre placas de ouro.

Descubra como muitos exemplos de importantes escritos sobre placas de metal da antiguidade, que eram completamente desconhecidos até ofinal do Século XX, agora são aceitos!

Ouça a apresentação de Daniel Johnson (em inglês) enquanto vê  50 slides clicando no link: http://home.comcast.net/~danjohn8/bmaf/


RECENTE descoberta arqueológica está em todos os sites, blogs e listas de e-mail, mostrando o quê parece ser fotos de um pequeno livro de placas de metal corroídas, presas por anéis metálicos. Não é algo duvidoso ou fraudulento, mas está sendo seriamente considerado como autênticos artefatos antigos do Oriente Médio.


Encontrados numa caverna na Jordânia, esses livros, ou códices, são únicos e muito impressionantes. Mais de 70 deles são conhecidos, cada um contando com de 5 a 50 “páginas” ou folhas de chumbo. Elas têm sido referidas como ‘placas’.


http://www.historiaviva.com.br/noticias/img/reliquia_crista_maior.jpg
Graziella BetingAchado arqueológico está gerando polêmica entre especialistas em história religiosa. A localização de 70 livros feitos de placas de chumbo em uma caverna na Jordânia foi anunciada como “a maior descoberta da história cristã”. Os códices, do século I, trariam relatos dos últimos anos da vida de Jesus Cristo. Muitos pesquisadores estão céticos. 
Os códices teriam sido encontrados há cinco anos em uma região onde cristãos se refugiaram depois da destruição do Templo de Jerusalém, no ano 70. Alguns dos volumes estão selados, o que deu margem à especulação de que se trataria de uma coleção secreta mencionada no Livro da Revelação, da Bíblia.
O britânico David Elkington, escritor e pesquisador de arqueologia religiosa, foi um dos únicos a analisar pessoalmente os códices e foi categórico ao atestar sua autenticidade. Segundo ele, testes de datação confirmaram que os livros têm 2 mil anos. Mas outros especialistas são mais cautelosos. Steve Caruso, tradutor de aramaico, analisou as fotos dos códices e declarou que eles trazem inscrições em línguas do século I e III, mais recentes, portanto, que a época de Jesus. Peter Thonemann, arqueólogo de Oxford, também encontrou anacronismos em algumas das imagens. http://www2.uol.com.br/historiaviva/noticias/a_maior_reliquia_crista.html
 É difícil afirmar qualquer coisa a partir das fotos, mas as páginas dos códices são quase do tamanho de um cartão de crédito e curiosamente algumas estão seladas por anéis que prendem-nas nos quatro lados.


Elas estão gravadas com imagens simples da iconografia judaica e cristã, bem como com escritos que parecem ser de natureza messiânica. Apenas umas poucas frases foram traduzidas mas nenhuma das fotos disponíveis mostram muito do texto original.


Além dessa pequena e tentadora informação, muito de sua história está em questão. O atual proprietário das placas, o israelita Hassan Saeda, declara que elas têm sido propriedade de sua família por mais de um século, entretanto o governo da Jordânia assegura que os livros foram encontrados na Jordânia entre os anos de 2005 e 2007 por um beduíno jordaniano e depois foram contrabandeados do país. Apesar de a Jordânia estar tentando fazê-las retornar ao país de origem, tem havido algumas acusações de que são falsos.


Israel tem tido casos de apresentação de falsas relíquias tais como os ossos de “Tiago, irmão de Jesus”, então isso certamente é uma possiblidade; mas os especialistas estão convencidos de que a corrosão nas placas de chumbo indicam que elas realmente são objetos antigos. O pensamento prevalecente é que elas datam do primeiro século da era cristã, o que faz delas objetos de quase 2 mil anos.  Judeus defensores da cabala associam-nas a essa prática, enquanto que outros acreditam que esses códices contém os primeiros exemplos de literatura cristã.


Apenas o tempo dirá qual é a verdade por trás desses fascinantes artefatos.


Supondo que sejam genuínos, talvez representem o mais significativo achado arqueológico do Oriente Médio desde que os Papiros do Mar Morto foram encontrados nos anos de 1940 e cuja autenticidade a princípio também foram postos em dúvida. Podemos estar olhando para uma situação similar no caso dos códices de chumbo. Aparentemente as placas foram seladas e escondidas para mantê-las a salvo, assim como aconteceu com os Papiros do Mar Morto.

Se os livros forem o que se declara serem, então são os registros cristãos mais antigos gravados em placas de metal. Os mais antigos fragmentos do Antigo Testamento já conhecidos são pequenos rolos de prata contendo passagens do livro de Números. O mais antigo livro é feito de páginas de ouro puro presas com anéis.
Esse exemplo etrusco tem pelo menos 2.500 anos.
É digno de nota o fato de que nenhum desses artefatos foi encontrado antes de 1830, quando O Livro de Mórmon foi publicado. Se Joseph Smith estivesse inventando sua história de placas douradas, ele não tinha precedente histórico sobre o qual se basear.
Não apenas esses e outros achados do século passado afirmam a validade de antigos registros em placas de metal, mas elas vêm todos do Oriente Médio, exatamente onde o relato do Livro de Mórmon começou.
Mesmo apesar de os mantenedores do registro nefita terem vivido nas Américas, eles seguiam a tradição semítica na linguagem e nos meios que usaram para preservar seus registros mais sagrados.
O fato de que registros antigos em placas de metal estarem se tornando cada vez mais comuns, é um forte apoio para O Livro de Mórmon, mas o fato de serem todos de antiga culturas do Oriente Médio deve ser mais que mera coincidência.

Ass.: Daniel Johnson
DANIEL JOHNSON por toda a vida tem se interessado pelas culturas antigas, especialmente as culturas das Américas. Sua primeira viagem à Mesoamérica foi em 1999. Desde então ele tem levado amigos em excursões à América Central e tem dado palestras sobre suas viagens. Ele serviu missão de tempo integral nas Missões Buenos Aires Norte e Mendoza Argentina. Trabalha como artista digital e professor na Academia de Arte de San Francisco.

JARED COOPER tem sido um fascinado com a história da Mesoamérica durante toda sua vida. Ele serviu missão na Missão New York Utica. É presidente da Integrated Network Communications.

DEREK GASSER tem demonstrado por toda a vida um amor pelas viagens e pela fotografia. Viajou por mais de 60 países e serve como voluntário em hospitais da Ásia e África. Serviu missão na Missão Philippines Cebu. Trabalha como admistrador hospitalar.


Você pode ver material adicional de Johnson a respeito de placas de metal na Mesoamérica através do link www.bmaf.org/node/371, Home

BASEADO na apresentação "Metals and Golden Plates in Measoamerica" de Daniel Johnson em Outubro de 2010 na conferência anual do “Book of Mormon Archaelogical Forun”.
Clique aqui para assistir a apresentação: http://home.comcast.net/~danjohn8/bmaf/metals.htm (ligue o som).
Esta apresentação pré-supõe que a região geográfica do Livro de Mórmon é a  Mesoamérica.
Uma das críticas mais comuns é que a menção de certos metais por parte do Livro de Mórmon é anacrônica e com evidência "nula" na América pré-colombiana. Menos que isso, dizem os críticos, não há nem sequer motivos para pensar em fundamento, muito menos para crer que existiram "placas de ouro". Nos apoiaremos nas descobertas compartilhadas recentemente por Daniel Johnson para refutar esta crítica.
O Que é uma "placa" de escritura?
Antes de começar, daremos uma definição pertinente ao termo "placa". Entenderemos una "placa" tal como o define a Real Academia da Língua Espanhola, como "Pedaço de metal plano e delgado", ou o dicionário web: “Folha de metal mais ou menos espessa”. Estudaremos placas que contenham certo tipo de informação escrita e seja de caráter histórido ou religioso.
Os metais mencionados no Livro de Mórmon na Mesoamérica
Como as placas se compõem de lâminas delgadas e planas de metal, é também importante citar os metais mencionados no Livro de Mórmon, em ordem alfabética:
  1. Aço (é uma liga de ferro e carbono, consequentemente este último elemento também está implicitamente presente no Livro de Mórmon)
  2. Bronze
  3. Cobre
  4. Ferro
  5. Ouro
  6. Prata
Sabemos que as culturas do Livro de Mórmon efectivamente escreviam informações importante de carácter histórico o religioso que era necessário perpetuar, em placas de destes metais.
A placas que O Livro de Mórmon menciona são categorizadas por tipo de metal são:
  1. Placas de Bronze: entre estas se encontram as placas de Labão (1 Néfi 3-5, 13:23) que Leí trouxe desde Jerusalém que continham as Escrituras até 600 a.C. e a genealogia de seus pais.
  2. Placas de Ouro: As 24 placas dos jareditas (Mosias 8:9; Éter 1:2) e o próprio Libro de Mórmon (muito possivelmente uma liga de ouro e cobre, segundo declaração de William Smith, irmão mais jovem Joseph Smith Jr.)
  3. Placas de outros metais não especificados: Placas de Néfi (maiores e menores) e as  Placas de Mórmon.
Sabemos que qualquer região que reclame ser a região geográfica dos povos do Livro de Mórmon deve cumprir a condição de ter estes metais e consequentemente dar a possibilidade a seus antigos habitantes de haverem fabricado utensílios com estes, em específico o objeto de nosso estudo, ou seja, placas ou lâminas delgadas e planas contendo informações culturalmente relevantes.
Daniel Johnson, em sua apresentação, mostra primeiramente como se distribui o metal na região da Mesoamérica para ver se verdadeiramente há sustento para os metais que O Livro de Mórmon menciona:

Ao observar este mapa dos depósitos de metais da Guatemala, efetivamente encontramos suficiente evidencia para os metais do Livro de Mórmon. Menciona depósitos de ouro, cobre ferro e prata [Nota do autor do presente artigo: também há evidencias de depósitos de carbono, assim a fabricação de aço era perfeitamente factível].


Fonte: pa-digital.com.pa - 21 de Maio de 2008 - Em países como Guatemala, El Salvador, Honduras e Panamá, estão adiantados os projetos de construção de plantas industriais que trabalhem com carvão mineral, observando os padrões de conservação ambiental. Há mais de cinco anos foi instalada na América Central a primeira planta de carvão, sendo a Guatemala o primeiro país a implementar essa alternativa. A mesma foi criada para gerar 130 megawatts, capacidade que pode ser ampliada. No Panamá empresas como Pan Am Generating Termica del Caribe, Pedregal Power e outras funcionam com óleo combustível, que também tem incrementado seus custos em 8%.
Se olharmos no mapa de México, ao norte do interior, veremos que é rico em ouro, mas não é rico em ferro, como é o interior:




Aqui visualizamos um mapa global dos depósitos, dando-nos uma visão panorâmica e global dos metais:


Placas de ouro no Velho Mundo
Antes de nos apresentar as placas de ouro da Mesoamérica, Daniel Johnson nos situa no contexto e faz um resumo das descobertas de placas e ouro e outros metais em diferentes partes do mundo:
Pequena placa de ouro encontrada na Áutria [na tumba de um menino romano]. Data do Século III a.C. Contém uma transliteração do hebreu para o grego de Deuteronômio 6:4 "ΣΥΜΑ ΙΣΤΡΑΗΛ ΑΔΩNΕ ΕΛΩΗ ΑΔΩN Α" (Ouve, ó Israel:  Jeová nosso Deus, é o único Senhor.


Placas de bronze datadas em 109 a.C. durante o governo do imperador Trajano em Roma.



Parte dos rolos de Qumran do mar morto (1%) foram escritos em rolos de cobre. Datados entre 50-100 a.C.

Placa de cobre de Taxila, Paquistão, escrita no Século I a.C



Placas de ouro de Pyrgi, perto de Roma, escritas em etrusco antigo, do Século V a.C



http://4.bp.blogspot.com/-YE616kAe8W4/TWG2dLxQ2fI/AAAAAAAAACo/iGV_z4TwnEE/s320/slide0043_image206.jpg
Placa de ouro do Rei Dario, encontradas na Pérsia, datadas em 522 a.C.



Placas de metal precioso encontradas numa caixa de pedras.

*
Livro etrusco feito com 24 placas de ouro, encontrado na Bulgária datado no Século V a.C



Os manuscritos bíblicos mais antigos conhecidos, escritos entre 600-700 a.C. em rolos de prata, encontrados numa tumba perto de Jerusalén, contendo a bênção sacerdotal de Números 6 escrita en Paleo-Hebreu.

Placas de ouro na América


Daniel Johnon compartilha conosco o impresionante achado de placas de ouro na Mesoamérica, num famoso cenote sagrado da região de Chichen Itzá. Eram de vários tipos entre os quais se achavam  placas retangulares e circulares de ouro.


Vista do cenote sagrado de Chichen Itzá, lugar de descobrimento das placas de ouro.

O arqueólogo Edward Hebert Thomson entre os anos de 1904 a 1910, drenou e escavou  cenote. As imagens a seguir dão fé a suas descobertas, as quais foram enviadas e guardadas no Museu Peabody, na Universidade de Harvard:




Foram encontrados muitos objetos, tais como pontas de flechas, lanças de bronze, ferramentas de cobre, entre os achados de Thomson. Encontraram também ferramentas de ferro na tumba de uma múmia em Costa Rica, no ano de 1883, entre outros objetos que concordam com os metais mencionados no Livro de Mórmon.


As placas encontradas são dos seguintes tipos:
  1. Fragmentos de placas de ouro em forma rectangular
  2. Placas grandes de ouro em forma circular
Daniel Johnson nos mostra fotografias exclusivas destes interessantes objetos:




Alguns fragmentos de placas de ouro pré-colombianas extraídas do cenote de Chichen Itzá, datadas do Século IX a.C com heroglíficos.





Contexto de uso de das planchas circulares: são discos de informações guerreira dos Toltecas. As imagens acima se destacam nos hieroglifos do marais do  Templo do Jaguar em Chichen Itzá. Estes discos sirviram como símbolos de poder, autoridade e profecia e proveram um enlace ao mundo pós mortal. Os discos de ouro provavelmente vinham da América Central e possivelmente tenham sido gravados em  Yucatán
Daniel Johnson também nos mostra imágens exclusivas destas placas circulares de ouro com impresionantes detalhes de sua escrita:









A escrita destas placas tinham um caráter sagrado, o que evidencia que não só os povos pré-colombianos da Mesoamérica escreviam em placas de ouro, como também usavam esta técnica de gravação sobre delgadas lâminas de ouro para perpetuar tratados religiosos.
Conclusão
Muitos detractores do Livro de Mórmon por anos foram cépticos de que na América pré-colombiana se achavam estas lâminas de ouro escritas e por isso criticaram fortemente as afirmações de Josph Smith devido a impossibilidade absoluta de Mórmon e Morône terem podido compendiar um registro em placas de ouro, como o faziam em certas ocasiões as civilizações do Velho Mundo.
Agora as evidências, se quem que iniciais, são tão contundentes contra a crítica que mais uma vez reafirma-se a veracidade histórica do Livro de Mórmon e derruba por terra todo o ceticismo anterior a esta evidência.

Artigos Relacionados
Metais do Livro de Mórmon

Placas de Ouro