NOSSA MISSÃO

Divulga artigos de pesquisas científicas escritos por cientistas e pesquisadores SUD.s e não SUD.s, profissionais e amadores, a respeito da arqueologia, antropologia, geografia, sociologia, cronologia, história, linguística, genética e outras ciências relacionadas à cultura de “O Livro de Mórmon - Outro Testamento de Jesus Cristo”, uma das quatro obras padrão de “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”.

O Livro de Mórmon conta a história dos descendentes do povo de Leí, (profeta da casa de Manassés), que saiu de Jerusalém no ano 600 a.C. (pouco antes do Cativeiro Babilônico) e viajou durante 8 anos pelo deserto da Arábia às margens do Mar Vermelho, até chegar na América (após 2 anos de navegação), desembarcando provavelmente em algum lugar da Mesoamérica (região que inclui o sul do México, Guatemala, Belize, El Salvador, Honduras, Nicarágua e parte de Costa Rica), mais precisamente a região vizinha à cidade de Izapa, no sul do México, onde, presumem os estudiosos, tenha sido o local de assentamento da primeira povoação desses colonizadores hebreus .

Este blog não é patrocinado nem está ligado oficialmente a qualquer denominação religiosa. Todo conteúdo apresentado aqui representa a opinião e é de total e exclusiva responsabilidade de seus autores, que sempre estão devidamente identificados.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Pele Escura

Alan C. Miner
www.ancientamerica.org
Notas de Step by Step through the Book of Mormon 
(Passo a Passo Através do Livro de Mórmon)

Tradutor Elson Carlos Ferreira - Curitiba/Brasil - 2004

Em 2 Nephi 5:21 diz que Deus “fez cair a maldição sobre eles… o Senhor Deus fez com sua pele se tornasse escura”. Entretanto, como se pode definir “escuridão”? A questão cultural que é levantada aqui é esta: Em nossa pesquisa nas terras do Livro de Mórmon, devemos procurar por uma localidade com uma história de apenas um povo “negro” e “branco” que tenha vivido lá durante o tempo do Livro de Mórmon?
De acordo com Hugh Nibley, para os árabes, ser de semblante branco significa ser abençoado, e ser de semblante negro significa ser amaldiçoado; há expressões semelhantes em hebreu e em egípcio… Note que a pele escura nunca é mencionada isoladamente (no Livro de Mórmon) mas sempre como como acompanhate de um geralmente depravado modo de vida, o que é descrito como o resultado direto da maldição… Não há nenhuma menção de pele vermelha, incidentalmente, mas somente de pele negra (ou escura) e pele branca, estes termos sendo usados como os árabes os usam. (Hugh Nibley, Lehi in the Desert, F.A.R.M.S., pp. 73-74)

Talvez possa ser proveitoso rever o que O Livro de Mórmon tem a dizer com relação a “branco” ou “brancura”, e “escuro” ou “escuridão”.

1. Na visão de Néfi, um anjo lhe faz a seguinte declaração a respeito dos doze ministro que julgariam sua semente: “por sua fé no Cordeiro de Deus suas vestimentas são branqueadas em seu sangue”. (Néfi 12: 10) É difícil imaginar através de nossa perspectiva cultural como as vestimentas podem ser literalmente branqueadas, lavando-as em sangue vermelho. Talvez o anjo esteja se comunicando com Néfi de acordo com sua cultura, usando o termo “branco” de uma maneira simbólica.

2. No sonho de Leí, o “… o fruto era branco, excedendo a toda brancura que já vira”. (1 Néfi 8:11) As palavras de Leí referem-se à parte “branca” de dentro da maçã, ou o termo “branco” é usado neste contexto como um termo simbólico?

3. No sonho de Néfi, o anjo lhe disse: “Eis que estes degenerarão, caindo na incredulidade. E aconteceu que vi que depois de haverem degenerado, caindo na incredulidade, tornaram-se um povo escuro, sujo e repulsivo, cheio de preguiça e todo tipo de abominações” (1 Néfi 12:22-23). Se levarmos em consideração o paralelismo hebreu, então a escuridão é aqui comparada com o fato de ser repulsivo, nogento, imundo, rude, corrompido, asqueroso, em ser cheio de indolência, ociosidade, futilidade e preguiça, e todo tipo de abominações. Não há nada sendo dito a respeito da cor da pele. Pode ser que o termo “escuro” conforme usado aqui seja simbólico?

4. Antes de Néfi ter feito sua viagem de retorno a Jerulalém em busca das placas de latão, o Senhor falou a ele dizendo: “ E se teus irmãos se rebelarem contra ti, serão afastados da presença do Senhor. E se guardares meus mandamentos, serás feito governante e mestre de teus irmãos. Pois eis que no dia em que se rebelarem contra mim, eu os amaldiçoarei com dolorosa maldição e não terão poder sobre a tua semente, a menos que ela também se rebele contra mim. E se acontecer que ela se rebele contra mim, eles serão um flagelo para teus descendentes, a fim de levá-los aos caminhos da lembrança.” (1 Néfi 2: 21-24).

Qual era a prometida “séria maldição”? Era que os irmãos rebeldes de Néfi seriam "afastados da presença do Senhor." Combinando o significado da maldição que aparece aqui com os termos expressos no nº 3 acima (1 Néfii 12:22-23), nós descobrimos que ser “afastado (cortado) da presença do Senhor” está associado com escuridão, com ser “sujo e repulsivo, cheio de preguiça e todo tipo de abominações.” (1 Néfi 12:22-23). Teria sido isto que fêz com que os lamanitas parecessem "repulsivos" para os Nefitas?

5. Em 2 Néfi 5:21 nós encontramos a seguinte fraze descrevendo o grupo de Leí antes que alguns se rebelassem contra Néfi: “eles… eram bracos, notavelmente formosos e agradáveis”. Em 2 Néfi 30: 6 nós encontramos a seguinte frase referindo-se ao futuro dos lamanitas nos últimos dias: “…antes que se passem muitas gerações, tornar-se-ão um povo puro e agradável”.

Antes da edição de 1840 do Livro de Mórmon, em vez das palavras “puro e agradável”, lia-se neste versículo “branco e agradável”. Em 1840, sob a supervisão editorial do profeta Joseph Smith, este versículo foi mudado para “puro e agradável”. Entretanto, por alguma razão desconhecida, edições subsequentes falharam em incluir esta alteração e reverteram ao fraseado das edições anteriores. Esta situação não foi corrigida até a edição de 1981. O que é importante aqui é o senso do parelelismo hebreu.

Não é “branco” paralelo de "puro"? Não são todas as palavras - "branco," "puro," "belo," “deleitável” paralelos umas das outras? Não pode ser que 2 Nephi 5:21 também tenha descrito o povo de Leí antes de sua rebelição como um “povo puro e notavelmente formosos e agradável”?

6. Na visão de Néfi, ele vê a futura mãe de Cristo, e diz o seguinte a respeito dela: “… na cidade de Nazaré vi uma virgem que era extremamente formosa e branca”. O que Néfi estava tentando dizer a respeito de Maria, que ela era caucasiana? Que ela tinha uma compleição branca como o leite? Talvez Néfi estava tentando dizer que ela era “pura”.

7. Em Alma 13:11-12, Alma fala sobre o caráter dos sumo sacerdotes fiéis: “Portanto foram chamados Segundo esta santa ordem e santificados; e suas vestimentas foram branqueadas pelo sangue do Cordeiro. Ora, tendo sido santificados pelo Espírito Santo, havendo suas vestimentas sido branqueadas, achando-se puros e imaculados perante Deus, só viam o pecado com horror; e houve muitos, e grande foi o seu número, que foram purificados e entraram no descanso do Senhor seu Deus.”

Agora comparemos seu estado com o que é ditto em 2 Néfi 5:21 a respeito da maldição. Néfi diz “…a fim de que não fossem atraentes para meu povo o Senhor Deus fez com sua pele se tornasse escura” . Se “branco” significa “puro”, então “escuro” significa “impuro” ou “cheio de pecado”? E por quê os lamanitas eram impuros ou cheios de pecado (ou “escuros”), aqueles que eram puros e santificados (“brancos”) não os considerariam atraentes?

8. Em Jacó 1:13-14, Jacó faz a seguinte declaração: ‘Ora, aqueles que não eram lamanitas eram nefitas; não obstante, eram chamados de nefitas, jacobitas, josefitas, zoramitas, lamanitas, lelmuelitas e ismaelitas e ismaelites. Mas eu, Jacó, daqui por diante não os mencionarei por esses nomes, mas chamarei de lamanitas aos que procuram destruir o povo de Néfi; e aos que são amigos de Néfi eu chamarei de nefitas, ou seja, o povo de Néfi, segundo os governos dos reis’. Em outras palavras, de acordo com Jacó, entre os nefitas podia haver povos descendentes de toda tribo. O leitor pode notar que isto aconteceu DEPOIS de que a maldição de uma “pele escura” falada em 2 Néfi 5:21. Então podemos perguntar: “quanto a hereditariedade tem a ver com a maldição de uma "pele escura”?

9. Em 3 Néfi 2:15, Mórmon está falando a respeiro dos lamanitas que tinham passado a viver com os nefitas. Ele diz o seguinte: “E a maldição foi retirada deles e sua pele tornou-se branca como a dos nefitas”. Há uma referência anterior a estes lamanitas apenas 3 vercículos antes que diz: “Portanto todos os lamanitas convertidos ao Senhor se uniram a seus irmãos, os nefitas; e viram-se obrigados a pegar em armas contra os ladrões de Gadiânton”. O que importa aqui é que se estes lamanitas haviam sido recentemente convertidos, naquele mesmo ano, ou se eles pertenciam ao povo de Amon, que havia sido convertido alguns anos antes (Alma 23-28). Os fatores hereditários poderiam estar no coração desta suspenção da “maldição” para tornarem-se “broncos” num período de tempo relativamente tão curto?

10. Depois da vinda de Cristo, Mórmon registra que “E aconteceu que no trigésimo sexto ano todo o povo de toda a face da terra foi convertido ao Senhor, tanto nefitas como lamanitas … até que se passaram cinqüenta e nove anos. E então aconteceu que o povo de Néfi se fortaleceu … tornando-se um povo muito formoso e agradável.” (4 Néfi 2, 6, 10). “E aconteceu que… até mesmo cem anos tinham-se passado… E não havia invejas nem disputas nem tumultos nem livertinagens nem mentiras nem assassinatos nem qualquer espécie de lascívia;… Não havia ladróes nem assassinos; nem havia lamanitas nem qualquer espécie de itas, mas eram um, os filhos de Cristo e herdeiros do reino de Deus.” (4 Néfi 1: 14, 16, 17). Não considerando exatamente quanto tempo foi necessário para suspender a “maldição” que havia sido colocada sobre os lamanitas, podemos perguntar novamente se a “maldição” tinha alguma coisa a ver com características físicas genéticas.

11. No capítulo 3 de Alma Mórmon fala a respeito de um grupo dissidente nefitas chamado de anlicitas: “E os anlicitas distinguiam-se dos nefitas porque haviam marcado a fronte de vermelho, à moda dos lamanitas; … Assim foi cumprida a palavra de Deus, pois estas são as palavras que ele disse a Néfi: Eis que amaldiçoarei os lamanitas e marca-los-ei, para que eles e seus descendentes sejam separados de ti e de tua semente de hoje em diante e para sempre, a menos que se arrependam de suas iniqüidades e voltem-se para mim, a fim de que eu tenha misericórdia deles. E também: Porei um sinal naqueles que misturarem sua semente com teus irmãos, para que também sejam amaldiçoados. E também te digo que aquele que se apartar de ti já não será chamado tua semente; e abençoar-te-ei, assim como todos os que forem chamados tua semente, de hoje em diante e para sempre;” (Alma 3: 4, 14-17)

De acordo com Hugh Nibley, é-nos dito (Alma 3:13, 14, 18) que enquanto o povo decaído “colocou uma marca sobre si mesmos”, isto não era menos do que se Deus os estivesse marcando: “Porei um sinal em todo aquele que lutar contra ti e tua semente”. Tão natural e humano era o processo que ele não sugere nada de miraculoso para o observador comum. (Hugh Nibley, Lehi in the Desert, F.A.R.M.S., pp. 78-74)

2 Néfi 5:21 Deus Fez Com Que Uma PELE ESCURA Caisse Sobre Eles.

Quando Adão e Eva foram expulsos do Jardim do Édem para o deserto, sabemos que o Senhor fez “roupas de peles, e vestiu-os” (Moisés 4:27). Alma refere-se às roupas dos lamanitas de uma maneira similar: “e (os lamanitas) estavam nus, usando apenas uma pele que lhes cingia os lombos” (Alma 43:20). Talvez um exame de algumas referências a “uma pele” ou “pele” no Livro de Mórmon possa somar algo à nossa percepção:

1. Alma o pai propos a seguinte questão: “E agora vos pergunto, meus irmãos: como vos sentireis, se vos apresentardes perante o tribunal de Deus tendo vossas vestimentas manchadas de sangue e de toda espécie de imundície? O que testemunarão estas coisas contra vós? Eis que não testemunharão que sois assassinos, sim, e também que sois culpados de toda espécie de iniqüidades: Eis que, meus irmãos, supondes vós que tal pessoa possa ter um lugar onde sentar-se no reino de Deus, com Abraão, com Isaque e com Jacó e também com todos os santos profetas, cujas vestimentas são limpas e imaculadas, puras e brancas?” (Alma 5:22, 24) Quando as “vestimentas” são “manchadas”, não significa que a pessoa é impure e indigna, enquanto que o oposto é “puro” e “santo”?

2. Como as vestimentas se tornam brancas? Temos a resposta em Alma 13:11, “Portanto [os sacerdotes] foram chamados segundo esta santa ordem [do Sumo Sacerdócio] e santificados; e suas vestimentas foram branqueadas pelo sangue do Cordeiro”. Desse modo, o sangue associa-se com as vestimentas.

3. Jacó dis o seguinte: “Eis que os lamanitas, vossos irmãos, a quem odiais por causa de sua imundície e da maldição que lhes caiu sobre a pele, são mais justos que vós;” (Jacob 3:5). Pode a “maldição” da “pele” estar associada com “vestimentas manchadas”?

4. Jacó continua: “Ó meus irmãos, temo que, a menos vos arrependais de vossos pecados, a pele deles sera mais branca do que a vossa, quando fordes levados com eles perante o trono de Deus”. (Jacó 3: 8) Estaria a “pele” mencionada aqui relacionada com com as “vestimentas” mencionadas no nº 1 (veja Alma 5:22) no qual ambos estão associados com o julgamento no “trono de Deus” ou no no “tribunal de Deus”?

5. Mórmon refere-se às vestimentas em conexão com a proteção na batalha: “Ora, os chefes dos lamanitas haviam suposto …que teriam a oportunidade de atacá-los como até então haviam feito; … e também se prepararam com vestimentas de pele… sim, vestimentas bem grossas para cobrir-lhes a nudez” (Alma 49:6). Estavam os lamanitas esperando obter proteção adicional através dessas vestimentas? Estavam eles copiando os princípios de proteção dos nefitas?

6. Mórmon diz isto a respeito do povo que haviam se associado com os ladrões de Gadiânton: “E aconteceu que eles subiram para a batalha; … e eles estavam cingidos segundo a maneira dos ladrões; e eles tinham uma faixa de pele sobre seus lombos, e elas eram tingidas de sangue”. Aqui nós temos “ladrões” que se vestiram de “pele” de “cordeiro”. Haveria aqui uma falsa alusão às “vestimentas que são lavadas no sangue do Cordeiro”?

Conclussão: Enquanto o meu desejo é o de deixar a conclusão final em aberto, espero que eu tenha providenciado ao leitor com, talvez, uma maneira diferente de entender a fraze “pele de escuridão”. Talvez o propósito da maldição seja mais importante de se entender do que a final substância da maldição. Eu gostaria de terminar citando as palavras de Alma na esperança de instilar uma mais profunda apreciação do propósito da “pele escura” com que Deus considerou proveitoso conceder.

“E os irmãos procuraram destruí-los, sendo portanto amaldiçoados; e o Senhor pôs-lhes uma marca, sim, em Lamã e Lemuel e também nos filhos de Ismael e nas mulheres ismaelitas. E isto foi feito para que sua semente pudesse ser distinguida da semente de seus irmãos, para que assim o Senhor Deus preservasse seu povo, a fim de que não se misturasse nem acreditasse em tradições incorretas que causariam sua destruição. E aconteceu que aqueles que misturaram sua semente com a dos lamanitas fizeram recair sobre sua descendência igual maldição. Portanto, os que se deixassem levar pelos lamanitas foram chamados por esse nome e foi –lhes posto um sinal.” (Alma 3:7-10)

Copyright © 1999-2002 Ancient America Foundation.