NOSSA MISSÃO

Divulga artigos de pesquisas científicas escritos por cientistas e pesquisadores SUD.s e não SUD.s, profissionais e amadores, a respeito da arqueologia, antropologia, geografia, sociologia, cronologia, história, linguística, genética e outras ciências relacionadas à cultura de “O Livro de Mórmon - Outro Testamento de Jesus Cristo”, uma das quatro obras padrão de “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”.

O Livro de Mórmon conta a história dos descendentes do povo de Leí, (profeta da casa de Manassés), que saiu de Jerusalém no ano 600 a.C. (pouco antes do Cativeiro Babilônico) e viajou durante 8 anos pelo deserto da Arábia às margens do Mar Vermelho, até chegar na América (após 2 anos de navegação), desembarcando provavelmente em algum lugar da Mesoamérica (região que inclui o sul do México, Guatemala, Belize, El Salvador, Honduras, Nicarágua e parte de Costa Rica), mais precisamente a região vizinha à cidade de Izapa, no sul do México, onde, presumem os estudiosos, tenha sido o local de assentamento da primeira povoação desses colonizadores hebreus .

Este blog não é patrocinado nem está ligado oficialmente a qualquer denominação religiosa. Todo conteúdo apresentado aqui representa a opinião e é de total e exclusiva responsabilidade de seus autores, que sempre estão devidamente identificados.

sábado, 11 de agosto de 2012

COMENTÁRIO DOUTRINÁRIO DO LIVRO DE MORMON - 012

DE 1 NÉFI a MOSIAS
 
Autoria de Rafael Danton Teixeira da Cunha
 
“minha alma se deleita em esclarecer o meu povo, para que aprenda.(II Néfi 25:4)”

I NÉFI
Capitulo 4
19 – E depois de ter-lhe cortado a cabeça com sua própria espada, tirei-lhe as vestimentas e coloquei-as sobre o meu próprio corpo; sim cada uma delas; e cingi meus lombos com a sua armadura.

20 – E depois de haver feito isso dirigi-me ao tesouro de Labão. E quando me dirigia ao tesouro de Labão, eis que vi o servo de Labão que guardava as chaves do tesouro. E com a voz de Labão, ordenei-lhe que me seguisse ao tesouro.
21 – E ele supôs que eu fosse seu amo Labão, porque viu as vestimentas e também a espada que eu levava a cintura.
22 – E falou-me a respeito dos anciãos dos judeus, pois sabia que seu amo, Labão, havia estado com eles durante a noite.
23 – E eu falei-lhe como se fora Labão.
24 – E disse-lhe também que eu levaria as gravações que estavam nas placas de latão a meus Irmãos mais velhos, que estavam fora das muralhas.
25 - E também ordenei-lhe que me seguisse.
26 – E supondo ele que eu me referisse aos irmãos da Igreja e que eu verdadeiramente fosse Labão, a quem eu havia matado, seguiu-me.
27 – E falou-me muitas vezes sobre os anciãos dos judeus, enquanto eu me dirigia para meus irmãos que estavam fora das muralhas.
28 – E aconteceu que quando me viu, Lamã ficou com muito medo e também Lemuel e Sam. E fugiram de mim, porque pensaram que eu fosse Labão e que lê me houvesse matado; e que procurasse também tirar-lhes a vida.
29 – E aconteceu que os chamei e eles me ouviram; portanto pararam de fugir de mim.

COMENTARIO - 13
19 a 29 - Interessante é notarmos aqui o que se torna evidente do tipo de pessoas que era formado o Sinédrio. Os anciãos a que se refere aqui eram conhecidos em Israel, como os que faziam parte do Sinédrio. Ou Labão fazia parte deste grupo de homens ou era amigo deles. O fato é que Labão sendo um assassino e ladrão como vimos antes, tinha um relacionamento bastante próximo com os principais da religião judaica. Mais tarde, com Jesus vemos que estes homens eram todos da mesma estirpe de Labão.
Também vemos aqui que os irmãos de Néfi ainda não acreditavam que o Senhor pudesse vencer Labão e seus homens. Eles ainda não tinham fé. Seus sentimentos ainda estavam nas coisas do mundo e o poder que eles conheciam era o poder do mundo.