NOSSA MISSÃO

Divulga artigos de pesquisas científicas escritos por cientistas e pesquisadores SUD.s e não SUD.s, profissionais e amadores, a respeito da arqueologia, antropologia, geografia, sociologia, cronologia, história, linguística, genética e outras ciências relacionadas à cultura de “O Livro de Mórmon - Outro Testamento de Jesus Cristo”, uma das quatro obras padrão de “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”.

O Livro de Mórmon conta a história dos descendentes do povo de Leí, (profeta da casa de Manassés), que saiu de Jerusalém no ano 600 a.C. (pouco antes do Cativeiro Babilônico) e viajou durante 8 anos pelo deserto da Arábia às margens do Mar Vermelho, até chegar na América (após 2 anos de navegação), desembarcando provavelmente em algum lugar da Mesoamérica (região que inclui o sul do México, Guatemala, Belize, El Salvador, Honduras, Nicarágua e parte de Costa Rica), mais precisamente a região vizinha à cidade de Izapa, no sul do México, onde, presumem os estudiosos, tenha sido o local de assentamento da primeira povoação desses colonizadores hebreus .

Este blog não é patrocinado nem está ligado oficialmente a qualquer denominação religiosa. Todo conteúdo apresentado aqui representa a opinião e é de total e exclusiva responsabilidade de seus autores, que sempre estão devidamente identificados.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Escola Dominical – Doutrina do Evangelho - Lição 2


                 
O LIVRO DE MÓRMON
Lição 2 Escola Dominical – Doutrina do Evangelho
 “Todas as Coisas Segundo Sua Vontade”
 Introdução:
 
Uma das maiores prova que nos defrontaremos nesta vida é a prova de obediência aos mandamentos do Senhor. Sua palavra chega até nós através das escrituras, por meio de pessoas chamadas por Ele como seus representantes: nossos pais, bispos, presidentes de estaca e autoridades gerais. Às vezes, nossa própria felicidade depende da nossa disposição de apoiar os representantes do Senhor. Existem outras ocasiões em que somente receberemos a vontade do Senhor através dos influxos mansos e delicados do Espírito Santo. Em qualquer situação que seja, devemos estar prontos para aceitá-las e com coragem colocá-las em prática. Néfi foi um perfeito exemplo de fé, coragem e obediência ao Senhor. É preciso ter uma fé solidamente alicerçada para afirmar “Eu irei e cumprirei”, e depois realmente fazê-lo, pois nunca podemos saber o que o Senhor poderá requerer de nós. Isto se aplica em tudo o que o Senhor tem pedido que façamos: nossos chamados como pais, em nossos chamados na igreja, na história da família, na obra missionária, no estudo das escrituras, na nossa freqüência ao templo, etc. Para isto precisamos fazer como Néfi tendo fé, coragem e estando pronto para sermos um instrumento nas mãos do Senhor. Como um dois nossos hinos diz:

     Talvez não seja em alto mar (mas um dia pode ser)
      Que Cristo me vá mandar (mas talvez Ele futuramente o faça)                                                        
      Talvez não haja conflitos lá (mas quem sabe venham a existir)
      Nem trevas eu vá encontrar..
      (mas o ponto é: )
      Eu proclamarei com amor, Ó Senhor: Aonde mandares irei”.
      (Aonde Mandares Irei, Hino SUD Nº 167)
1.       Prefácio
                Este resumo de 1º Néfi faz parte do texto original, não tendo sido acrescentado por autores modernos (ver último parágrafo). Em 1849 o livro foi dividido em capítulos e versículos. Os breves cabeçalhos em cada capítulos também foram acrescentados nesta ocasião. O prefácio de cada livro faz parte do registro original dado ao Profeta Joseph Smith.
2.       1º  Néfi 1:1
Néfi escreveu este registro 30 anos após ter partido de Jerusalém. Néfi já havia escrito um registro das experiências vividas nas placas conhecidas como as placas maiores de Néfi. Agora o Senhor lhe ordenara que fizesse um novo registro com as coisas que seriam de valor espiritual as pessoas que o leriam (1º Néfi 9:1-5). A lembrança dos seus queridos  e obedientes pais, já falecidos lhe tocaram o coração, pois iniciou este novo registro dizendo: “Eu, Néfi, tendo nascido de bons pais”.  No mesmo versículo lemos: “..., e tendo padecido muitas aflições no decurso de minha vida” , Néfi viveu vários anos no deserto, seus irmãos tentaram matá-lo quatro vezes e uma vez Labão tentou o mesmo. Construiu um barco e depois e sofreu várias perseguições. Mas Néfi continua o seu registro: “..., fui, não obstante, altamente favorecido pelo Senhor em todos os  meus dias”. Que lição de fé podemos tirar deste único versículo do Livro de Mórmon. Apesar de termos tristezas e sofrimentos em nossas vidas, devemos sempre nos lembrar das vezes em que fomos favorecidos pelo Senhor.
3.        1º  Néfi 1:2
                Os registros foram escritos em egípcio antigo reformado, um idioma alterado pelos Nefitas segundo a sua maneira de          falar. Moroni explica se as placas fossem suficientemente grandes poderiam ter sido escritas em hebraico, ficando         isentas de imperfeições (ver Mórmon 9: 32-33).
               
4.       1º  Néfi 1:4
                Zedequias foi colocado como rei de Judá. Nesta época muitos destes profetas eram Ezequiel, Jeremias, Naum,        Habacuque e Sofonias (ver Jeremias 35:15).

               
5.        1º  Néfi 2:16
Muitas vezes temos nossos testemunhos em nossos pais e líderes. Precisamos saber por nós mesmos as doutrinas e coisas de Deus. Néfi obteve um testemunho depois de ter buscado e foi grandemente abençoado. O mesmo não aconteceu com seus irmãos que não buscaram saber a verdade e obter um testemunho próprio. Este testemunho e conhecimento vêm somente através do nosso esforço espiritual. Nossos filhos têm um testemunho do evangelho de Cristo ou apenas seguem o nossos?
6.       1º  Néfi 3:1-10
Qual era a coisa difícil que Leí pediu a seus filhos?  A distância de Jerusalém ao Mar Vermelho é de 288 Km, e eles estavam mais três dias de viagem além deste ponto, o que faria uma distância a ser percorrida em 14 dias de viagem. Nesta mesma rota era uma região desértica e muito quente, além de ser uma região infestada por saqueadores. Leí e sua família já haviam deixado todo o seu conforto para trás e agora deveriam regressar fazendo com que os filhos mais velhos começassem a murmurar. Esta distância equivale hoje a uma viagem de Curitiba à Florianópolis (310 km), ou Curitiba à Guarapuava (255km) , ou ainda São Paulo à Araraquara (288 km). Às vezes começamos a murmurar em termos que fazer nossas visitas de mestres familiares e professoras visitantes que vivem bem próximas a nossas residências.
7.       Labão e Placas de Latão
Labão era um parente distante de Leí e tomava conta de um grande tesouro. Era um homem robusto, explosivo, avarento, inescrupuloso, fraco e dado a bebida. Comandava um exército de 50 homens, e se reunia a noite com os “anciãos dos judeus”, vestindo trajes cerimoniais para consultas secretas. Provavelmente obteve esta posição graças a seus ancestrais e não através de seus próprios méritos.
As placas de Latão continham eram os “anais dos Judeus” que continham um registro de todos os assuntos sagrados e profecias desde o início do mundo até aquela época. Nelas achavam-se a lei de Moisés, os cinco livros deste profeta, e a genealogia dos antepassados dos Nefitas (1° Néfi 3: 3,20 $:15-16; 5: 11-14). Nelas estavam preservados também os registros de Jeremias, Zenoque, Neum, Zenos e de José, filho de Jacó. Provavelmente de outros profetas e muitas revelações estavam nas placas.  Outro motivo principal seria o de conservar o idioma de seus pais, bem como grande parte da cultura  e conhecimento religioso. Podemos dizer que nas placas tinham mais de 3300 anos de registros, algo realmente de grande valor. As placas de Latão eram para os Nefitas o que o Livro de Mórmon é (ou deveria ser) para nós hoje em dia.
                Em contraste marcante, os Mulequitas que partiram de Jerusalém 11 anos após Leí, não possuíam um registro similar e nem mantiveram registros atualizados mantendo o conhecimento e o idioma de seus pais. O resultado          deste último povo foi que logo caíram em apostasia, incredulidade perdendo seu idioma, civilização e religião (ver   Ômni 14-18). Estamos mantendo as escrituras ativas e vivas em nossos lares, ou nossos filhos se perderam como os Mulequitas?
               
8.       1º  Néfi 7  A união das duas famílias
                O Senhor então aconselhou Leí que seus filhos deveriam tomar esposas para levantar posteridade ao Senhor na                terra da promissão (versículo 1). Ismael que era primo de Leí e tinha muitas filhas e filhos. Foi escolhido não   apenas por este motivo, mas porque Ismael era da tribo de Efraim (filho de José) e Leí descobrira através das          placas de Latão que era um descendente de Manassés (também filho de José) e que juntos cumpririam as profecias           de que a tribo de José receberia esta terra como uma terra de promissão, conforme encontramos em Genesis 48:            “E seja chamado neles o meu nome, e o nome de meus pais Abraão e Isaque, e multipliquem-se como os peixes em           multidão, no meio da terra”. Assim os dependentes de Manassés e Efraim cresceram juntos neste continente                 americano. Além disto, estariam também cumprindo o mandamento de se casarem como encontrado nas                 escrituras.
               
                Conclusão:
               
                Temos que ter uma fé inabalável como Néfi e devemos fazer sempre a vontade do Senhor. As bênçãos fluirão     desde que permaneçamos no lado do Senhor.  Temos que fazer a nossa parte e o Senhor, sem dúvidas, fará a Dele.               
                                                                              Pontos para ponderar: 
                                               Tenho o desejo de seguir as ordens do Senhor?
                                               Meus filhos estão no caminho certo e poderão caminhar sozinhos?
                                              
                       Próxima Lição Número 3 - 1º Néfi 8-11; 12; 15
           Preparado por Roberto Gaertner - Escola Dominical Ala Barigui – 2012