NOSSA MISSÃO

Divulga artigos de pesquisas científicas escritos por cientistas e pesquisadores SUD.s e não SUD.s, profissionais e amadores, a respeito da arqueologia, antropologia, geografia, sociologia, cronologia, história, linguística, genética e outras ciências relacionadas à cultura de “O Livro de Mórmon - Outro Testamento de Jesus Cristo”, uma das quatro obras padrão de “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”.

O Livro de Mórmon conta a história dos descendentes do povo de Leí, (profeta da casa de Manassés), que saiu de Jerusalém no ano 600 a.C. (pouco antes do Cativeiro Babilônico) e viajou durante 8 anos pelo deserto da Arábia às margens do Mar Vermelho, até chegar na América (após 2 anos de navegação), desembarcando provavelmente em algum lugar da Mesoamérica (região que inclui o sul do México, Guatemala, Belize, El Salvador, Honduras, Nicarágua e parte de Costa Rica), mais precisamente a região vizinha à cidade de Izapa, no sul do México, onde, presumem os estudiosos, tenha sido o local de assentamento da primeira povoação desses colonizadores hebreus .

Este blog não é patrocinado nem está ligado oficialmente a qualquer denominação religiosa. Todo conteúdo apresentado aqui representa a opinião e é de total e exclusiva responsabilidade de seus autores, que sempre estão devidamente identificados.

sábado, 20 de agosto de 2011

HISTÓRIA - Eram de Ouro as Placas “Douradas”?

Tradutor: Elson C. Ferreira – Curitiba/Brasil – 2007
de.jerusalem.as.americas@gmail

Com o que as placas de ouro se pareciam? Se tivéssemos pesado e examinado as placas por nós mesmos como fizeram as Oito Testemunhas em 1829, o que teríamos aprendido a respeito delas?

Réplica das placas do Livro de Mórmon

Joseph Smith disse que o conjunto de placas era de 20 cm de comprimento, 15 cm de largura e 15 cm de altura (pesaria aproximadamente 90 quilos se as placas fossem feiras de ouro puro 24 K, o que seria muito pesado para Joseph carregar).

As placas podiam pesar menos e ainda assim serem de ouro. O metalúrgico Reed Putnam mostrou que placas de ouro martelado 24K pesariam apenas a metade de um bloco sólido do mesmo tamanho, o que faria com que as placas pesassem quase 56 quilos, um peso mais razoável para que Joseph carregasse.

Entretanto Putnam explica que se as placas fossem feitas de uma liga comum na América Central chamada tumbaga, feita de ouro 8K e cobre, elas pesariam somente 24 quilos.
 "Mórmon Escrevendo Nas Placas", de Tom Lovell

É interessante observar que William Smith, irmão do Profeta, ergueu as placas quando elas estavam dentro de uma fronha e estimou que elas pesavam 22 quilos, e Martin Harris, uma das Três Testemunhas, disse que elas pesavam de 20 a 22 quilos. Willian também disse que as placas eram de uma liga de ouro e cobre.

Ouro puro seria muito macio para fazer placas, mas a tumbaga é notavelmente resistente mesmo em lâminas finas como são descritas as placas douradas, como sendo “iguais ao papel”, disse Emma Smith, ou "não tão grosso como a lata comum", de acordo com Joseph, Martin Harris, e David Whitmer.

Na América Antiga a tumbaga era comumente tratada com um ácido simples (como o ácido cítrico) tornando-o fácil de gravar e mudando sua cor naturalmente vermelha para uma cor “dourada”.

Informações fornecidas pela
Foundation for Ancient Research & Mormon Studies