NOSSA MISSÃO

Divulga artigos de pesquisas científicas escritos por cientistas e pesquisadores SUD.s e não SUD.s, profissionais e amadores, a respeito da arqueologia, antropologia, geografia, sociologia, cronologia, história, linguística, genética e outras ciências relacionadas à cultura de “O Livro de Mórmon - Outro Testamento de Jesus Cristo”, uma das quatro obras padrão de “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”.

O Livro de Mórmon conta a história dos descendentes do povo de Leí, (profeta da casa de Manassés), que saiu de Jerusalém no ano 600 a.C. (pouco antes do Cativeiro Babilônico) e viajou durante 8 anos pelo deserto da Arábia às margens do Mar Vermelho, até chegar na América (após 2 anos de navegação), desembarcando provavelmente em algum lugar da Mesoamérica (região que inclui o sul do México, Guatemala, Belize, El Salvador, Honduras, Nicarágua e parte de Costa Rica), mais precisamente a região vizinha à cidade de Izapa, no sul do México, onde, presumem os estudiosos, tenha sido o local de assentamento da primeira povoação desses colonizadores hebreus .

Este blog não é patrocinado nem está ligado oficialmente a qualquer denominação religiosa. Todo conteúdo apresentado aqui representa a opinião e é de total e exclusiva responsabilidade de seus autores, que sempre estão devidamente identificados.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

ARQUEOLOGIA - El Mirador

Excertos de um documento editado por
Ray T. Matheny
Revisado por V. Garth Norman
 Peten, Guatemala: An Interim Report, editado por Ray T. Matheny
“New World Archaeological Foundation, Brigham Young University”, Provo

Traduzido por Elson C. Ferreira – Curitiba/Brasil
Os estudiosos das antigüidades americanas relacionadas à Mesoamérica, como por exemplo a região da história do Livro de Mórmon mais extensivamente registrada, devem estar intensamente interessados no projeto “El Mirador”. Isolada na selva bem ao norte de El Peten, na Guatemala, esta antiga cidade oferece uma rara oportunidade para investigar uma antiga cidade Maia, onde se encontra a maior construção Clássica que, evidentemente, não foi soterrada pelas últimas ocupações Maias.
Testes iniciais revelam que mais de 65% das amostras de cerâmicas encontradas pertencem ao último período Pré-clássico (c.400 a.C-100 AD).
Se essas amostras de cerâmica (que talvez tenham vindo de escavações de saqueadores), forem representativas da atual ocupação e não apenas de preenchimento estrutural, então, acredita o Dr. Matheny, El Mirador possa ser o maior sítio Pré-clássico (da época do Livro de Mórmon) de que se tem conhecimento na Mesoamérica. Das peças de cerâmica encontradas no piso de uma sala na Estrutura 34, todas eram do último período Pré-clássico.
Assim aparece um potencial para investigação de uma antiga cidade que data do período do Livro de Mórmon, quando os Nefitas, Mulequitas e outras culturas se juntaram com os sobreviventes Jareditas, no início mesclados em pequenos grupos, até se tornarem uma forte civilização que se espalhou muito além da “terra do sul” (sul do México, Mesoamérica?) no tempo de Cristo. Se o Rio Usumacinta for o Rio Sidon, como muitos estudiosos da geografia do Livro de Mórmon acreditam, então poderemos ter o privilégio de ver em El Mirador a descoberta de uma das “grandes cidades” dos Nefitas referidas na região de Zaraenla.
 22 E ai de vós por essa razão, a menos que vos arrependais. Pois se não vos arrependerdes, eis que esta grande cidade e também todas as grandes cidades circunvizinhas que ficam na terra de nossa possessão serão tomadas e não tereis lugar nelas; pois eis que o Senhor não vos concederá aforças para resistirdes a vossos inimigos, como tem feito até agora. (Helamã 7:22)
5 Por conseguinte clamaram ao povo, dizendo: Por que permitis que este homem nos ultraje? Pois eis que ele condena todo este povo à destruição; sim, e diz também que nossas grandes cidades nos serão tomadas, de modo que nelas não teremos lugar.
  6 E no entanto sabemos que isso é impossível, pois eis que somos poderosos e grandes são as nossas cidades; portanto nossos inimigos não podem ter poder sobre nós. (Helamã 8:5, 6).

Ian Graham descreveu o local após explorações feitas em 1967:
As estruturas de El Mirador são extremamente impressionantes, a despeito de suas condições uniformemente arruinadas. Elas certamente são as mais sólidas e as maiores na região dos Maias, e há grandes construções em maior número aqui do que em qualquer outro local que se conhece. O cume da Estrutura 1 está a 55 metros acima do platô sobre o qual se situa, apesar de que a construção que ela apoiava tenha desaparecido. Isto é 20% mais alto do que a subestrutura do Templo de Tikal IV. E se todo o edifício fosse reconhecido como um “templo” em vez de uma simples estrutura,... então este templo ocuparia uma área seis vezes maior do que o Templo de Tikal IV. (Archaeological Explorations in El Peten, Guatemala, p. 45. Middle American Research Institute, Publication 33. Tulane University: New Orleans, 1967.)
George E. Stuart da “National Geographic Society” acredita que "o capítulo chave na história do desenvolvimento Maia [e de toda a história do Livro de Mórmon também, podemos adicionar] certamente repousa entre os grandes montes de El Mirador. [Com] mais de 200 montes e as ruínas de várias grandes pirâmides, o local pode ser o maior em toda a área Maia”. ("An Age of Splendor," Chapter 2 of The Mysterious Maya, por George E. and Gene S. Stuart. National Geographic Society, 1977.)
Graham encontrou dois fragmentos de escultura em El Mirador feitos em estilo anterior ao Clássico e Protoclássico de Kaminaljuyú, um local situado na costa do Pacífico, na Guatemala. Outras esculturas do mesmo estilo, feitas em pedra e estuque, foram encontradas pela equipe da BYU em suas estações de campo em 1980 e 1981.
 Na opinião do revisor, estudos das esculturas em Izapa - e Izapa é outro raro local anterior ao período Pré-clássico e Protoclássico na costa do Pacífico – revela que o estilo de esculturas de Kaminaljuyú, melhor conhecido como estilo “Izapan”, pode representar a cultura Nefita-Mulequita em muitos contextos. A ideologia religiosa altamente desenvolvida que é expressa em algumas esculturas de Izapa está se provando ser extraordinariamente consistente com O Livro de Mórmon.