NOSSA MISSÃO

Divulga artigos de pesquisas científicas escritos por cientistas e pesquisadores SUD.s e não SUD.s, profissionais e amadores, a respeito da arqueologia, antropologia, geografia, sociologia, cronologia, história, linguística, genética e outras ciências relacionadas à cultura de “O Livro de Mórmon - Outro Testamento de Jesus Cristo”, uma das quatro obras padrão de “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”.

O Livro de Mórmon conta a história dos descendentes do povo de Leí, (profeta da casa de Manassés), que saiu de Jerusalém no ano 600 a.C. (pouco antes do Cativeiro Babilônico) e viajou durante 8 anos pelo deserto da Arábia às margens do Mar Vermelho, até chegar na América (após 2 anos de navegação), desembarcando provavelmente em algum lugar da Mesoamérica (região que inclui o sul do México, Guatemala, Belize, El Salvador, Honduras, Nicarágua e parte de Costa Rica), mais precisamente a região vizinha à cidade de Izapa, no sul do México, onde, presumem os estudiosos, tenha sido o local de assentamento da primeira povoação desses colonizadores hebreus .

Este blog não é patrocinado nem está ligado oficialmente a qualquer denominação religiosa. Todo conteúdo apresentado aqui representa a opinião e é de total e exclusiva responsabilidade de seus autores, que sempre estão devidamente identificados.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

CULTURA ANTIGA - O Simbolismo da Árvore da Vida e da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal

Jeffrey M. Bradshaw
Tradutor Elson Carlos Ferreira - Curitiba-Brasil - Setembro/2010
de.jerusalem.as.americas@gmail.com

O mural no Tribunal das Palmeiras em Madri, datado de  1750 a.C., é um exemplo de como os temas templo e jardim eram combinados antigamente, mesmo externamente ao judaísmo. J. R. Porter escreve de como a cena mostrada acima “recria de maneira impressionante detalhes da descrição do Jardim do Éden de Gênesis.

Sobre o autor:

Jeffrey M. Bradshaw, Ph.D., Cientista Pesquisador Senior do Florida Institute for Human and Machine Cognition (IHMC) de Pensacola, Florida (www.ihmc.us). Seus escritos profissionais têm explorado uma grande variedade de tópicos sobre a inteligência humana e da máquina e sua interação. Jeff escreveu um comentário especializado bastante aclamado sobre o livro de Moisés intitulado In God’s Image and Likeness (www.imageandlikeness.net). Ele foi louvado pela eminente estudiosa do Velho Testamento, Margaret Barker, como “notável”. O Diretor Emérito da ARMS, S. Kent Brown, qualificou simbolicamente seu artigo como  “a mais interessante tapeçaria". O Professor de Escrituras Antigas da BYU, David R. Seely, considerou-o como "de âmbito cósmico", com uma  “riqueza de impressionantes imagens artística e literária" e pelo proeminente cientista SUD David H. Bailey, como um “excepcional tratado moderno e honesto". Jeff tem se apresentado nas reuniões da FAIR nos Estados Unidos, Alemanha e França. Publicou trabalhos no International Journal of Mormon Studies, Journal of Mormon Philosophy and Theology, e BYU Studies. Ele foi um missionário na Missão Belgium-Brussels e desde então tem servido numa variedade de chamados n'A Igreja, incluindo professor do seminário diário, bispo, sumo conselheiro, conselheiro de presidência de estaca e oficiante do templo. Jeff e sua esposa Kathleen são pais de quatro filhos e têm quatro netos.

O mural no Tribunal das Palmeiras em Madri, datado de  1750 a.C., é um exemplo de como os temas templo e jardim eram combinados antigamente, mesmo externamente ao judaísmo. J. R. Porter escreve de como a cena mostrada acima “recria de maneira impressionante detalhes da descrição do Jardim do Éden de Gênesis.

Em particular, o mural apresenta dois tipos de árvores, uma delas claramente é uma tamareira, “guardada por míticos animais alados [a versão assíria do] querubim.1 No lado simétrico do painel, na extremidade esquerda e à direita do mural, dois homens sobem em cada uma das duas tamareiras.2 Na árvore à direita, pode-se claramente vê-la abrigando uma pomba.3

“A metade inferior do painel central mostra figuras portando jarros dos quais fluem quatro riachos,” com uma planta crescendo no meio, recordando os riachos que fluem debaixo da Árvore da Vida no Jardim.4  Os riachos originados na base do lugar que pose ser visto como oferecendo um local ideal para lavamentos rituais.5 “ A cena superior pode mostrar um rei sendo investido pela divindade mesopotâmica da fertilidade Ishtar: Eva tem sido associada a essas figuras divinas”6 Observe a mão direita levantada do rei, talvez num gesto relacionado a um juramento.7 Seu braço esquerdo estendido recebe a coroa e o bordão de seu ofício.8

Em muitas tradições, árvores sagradas são identificadas com um rei humano9 ou com a mãe do rei, seja humana ou divina. 10 Como as duas figuras testemunhando a investidura, dois outros, perto das árvores levantam suas mãos em adoração e súplica,11 sugerindo um paralelo entre a árvore e o próprio rei. Como a árvore, o réu é um “arquétipo recebedor e distribuidor da bênção divina”.12

A árvore da vida certamente é o objeto mais significativo no Jardim do Éden. Sua presença sempre tem sido algo de enigmático para os estudantes da Bíblia, isso porque ela é apenas brevemente mencionada em Gênesis, uma vez no começo da história, em conexão com a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal13 e outra vez quando o querubim e a espada flamejante são colocados para prevenir que Adão e Eva partilhem de seu fruto.14

Apesar de que nem a natureza nem a função da Árvore da Vida e da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal são dados explicitamente na escritura, um entendimento dos ensinamentos do templo pode iluminar grandemente este assunto. Neste artigo, apresento algo sobre o simbolismo dessas duas árvores especiais. No próximo artigo, discutirei como sua colocação no Jardim do Éden se relaciona com o cenário dos templos israelitas e como cumprem seu papel na história  de Adão e Eva se torna aparente.
Simbolismo da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal

A expressão hebraica “conhecimento do bem e do mal” pode significar conhecimento do que é bom e mal, ou da alegria e da miséria, ou  mais indiscutivelmente de “tudo”, se “bem e mal” pode ser entendido como significando a totalidade de tudo o que é, foi ou será.15  A variada luz e escuridão na foto da figueira mostrada acima sugere a ambivalente natureza deste simbolismo.
Talvez a mais relevante alusão ao significado desta frase venha de Deuteronômio 1:39, a qual fala de crianças “que não têm conhecimento do bem e do mal”, sugerindo que eles não são legalmente responsáveis por seus atos.16  Neste sentido, o termo se não se refere ao conhecimento abstrato mas ao tipo de conhecimento que falta na infância e se adquire com a experiência.17 Desse modo, percebendo sua inexperiência, o jovem Rei Salomão orou pela habilidade de discernir entre o bem e o mal para que fosse capaz de agir nas funções de seus deveres reais.18 Consistentemente com a leitura desta frase, a escritura SUD se refere à habilidade de distinguir o bem do mal,19 o que pressupõe o poder do homem de escolher o doce mesmo quando é prejudicial e rejeitar o amargo mesmo quando é benéfico.20

O mandamento específico que proíbe comer do fruto da Árvore do Conhecimento é dado em Moisés 3:16-17:

E eu, o Senhor Deus, ordenei ao homem, dizendo: De toda árvore do jardim podes comer livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; não obstante, podes escolher segundo tua vontade, porque te é dado; mas lembra-te de que eu o proíbo, porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.
A fraze “podes escolher segundo tua vontade, porque te é dado” é uma adição do Livro de Moisés com relação ao relato de Gênesis. A frase serve para enfatizar o fato de que Adão e Eva foram colocados numa situação na qual eles poderiam exercitar seu livre arbítrio a fim de continuar seu progresso. o Elder Joseph Fielding Smith, falando como um apóstolo, ofereceu a seguinte paráfrase desse mandamento:

“O Senhor disse a Adão: aqui está a árvore do conhecimento do bem e do mau. Se desejares permanecer aqui, então eu o proíbo de comê-lo. Mas podes agir por ti mesmo e podes comer do fruto se o desejares. E se comeres dele, morrerás.22

Acima vemos um desenho do Século XX de duas cenas do Jardim do Édem. À esquerda vemos Eva, que está sendo criada da costela de Adão, com sua futura posteridade representada como o fruto de uma “Árvore das Almas”23 À direita está Deus, dando a Adão e Eva o mandamento de não partilharem do fruto da Árvore do Conhecimento.24  Gary A. Anderson aponta uma interessante divergência entre a história de Gênesis e o desenho apresentado aqui: “Considerando que Gênesis 2 conta que Adão foi criado primeiro,25i recebeu o mandamento,26 e só então recebeu sua esposa,27 a ilustração mostra que Adão foi criado, recebeu o mandamento, então Eva foi tirada de sua costela, e finalmente anbis receberam o mandamento.”28 À direita, Deus gesticula em direção da Árvore do Conhecimento em advertência enquanto toma Adão firmemente pelo pulso. Ao mesmo tempo, Eva levanta seu braço no que parece um gesto de consentimento ao mandamento de Deus.29

Em coerência com a forma das folhas e do fruto à direita na ilustração, tradições judaicas e cristãs frequentemente identificam a Árvore do Conhecimento do bem e do mal com uma figueira, aumentando assim a ironia de quando, mais tarde, Adão e Eva tentaram cobrir-se com essas folhas.30 O fruto da figueira é conhecida por sua abundância de sementes, desse modo, um avental de folhas de fugueira é um símbolo apropriado para a habilidade de Adão e Eva de serem frutíferos e de se multiplicarem31  depois da Queda.32 São menos prováveis as sugestões de que o fruto proibido era simbolizado pela uva,33  pela romã ou pela maçã (baseado na correspondência entre a palavra latina malus = mal e malum = maçã).34

Os ensinamentos dos Santos dos Últimos Dias a respeito do fruto proibido inglui uma variedade de opiniões. Por exemplo, enquanto o Presidente Brigham Young35 e o Elder James E. Talmage36 entendiam as escrituras como descrevendo uma ingestão literal de algum tipo de fruto, o Elder Bruce R. McConkie deixou a porta aberta para uma interpretação figurativa: “O significado de partilhar do fruto da Árvore do Conhecimento do bem e do mal é que nossos primeiros pais cumpriram com independência as leis que estavam envolvidas para que seus corpos se transformassem de seu estado paradisíaco e imortal para um estado de natural mortalidade.”37

Simbolismo da Árvore da Vida
Já que o fruto da Árvore da Vida não foi especificamente proibida para Adão e Eva, comentários são frequentemente feitos sobre se eles podem ter comido dele para prolongarem suas vidas enquanto permaneciam no jardim, entretanto, uma leitura cuidadosa de Gênesis parece contrariar este ponto de vista. Por exemplo, o uso do termo “também” (hebreu-gam) em Gênesis 3:22 (“e tomem também do fruto da árvore da vida”) sugere que eles ainda não haviam partilhado do fruto da Árvore da Vida até o momento em que essas palavras foram pronunciadas. Evidências para o uso da palavra gam no sentido de “nova e adicional atividade” é provada em Gênesis 3:6 também (“e também deu ao seu marido”).38 Além disso, Barr estudou 131 casos de “menos” (hebreu- pen; “a menos que ele estenda sua mão… e coma”) na Bíblia “e não encontrou nenhum que significasse ‘para que alguém continuasse a fazer algo que já estivesse fazendo’.39 Afirmar especificamente que essa leitura é uma única exegese samaritana de Gênesis 2:16, que exclui a Árvore da Vida da permissão dada a Adão e Eva de comerem das árvores do Jardim .40

Em contraste à idéia de que comer do fruto da Árvore da Fida era meramente um meio de providenciar imortalidade biológica, o Elder Bruce R. McConkie declarou que seu propósito era conferir a glória da ‘vida eterna41—o tipo de vida de Deus vive—em todos os graus, certamente, para aqueles que estão qualificados a recebê-la.42 Estudiosos não-mórmon concordam, concluindo que “a árvore era associada com a mais elevada e imutável vida eterna que era assegurada pela obediência durante a provação”.43

De acordo com essa visão, não teria sido permitido a Adão e Eva partilharem do fruto da Árvore da Vida a seu próprio critério. Como a cada um de nós, a única aproximação possível para Adão e Eva para a Árvore da Vida era deixando o Jardim para passar para a mortalidade, e finalmente retornando para lá para tomar do doce fruto apenas quando tiverem completado sua provação e forem autorizadamente convidados a fazê-lo.44

Oliveira ou tamareira?

*  Antigos comentários frequentemente identificam a Árvore da Vida com uma oliveira.45 Sua existência extremamente longa a torna um símbolo apropriado para a vida eterna e o uso diário do seu óleo como fonte tanto de nutrição para o homem como de combustível de lamparina para gerar luz evoca associações naturais quando usadas em conjunção com o ritual de unção de sacerdotes e reis, e de unção e bênção de enfermos e aflitos.46


Há uma variedade de textos associados à oliveira com o Jardim do Éden. Por exemplo, uma antiga tradição conta que em seu leito Adão requereu a Eva e Set que retornassem ao Jardim para irem buscar óleo - presumivelmente óleo de oliva - da “árvore de sua misericórdia.”47 A história da pomba que retornou para a arca de Noé com um ramo de oliveira na boca, uma opinião rabínica diz que “os portões do Jardim do Éden se abriram para a pomba, e de lá ela o trouxe.”48 Dois dias depois de uma revelação descrevendo como a guerra seria “colocada sobre todas as nações”, Joseph Smith designou a sessão 88 de Doutrina e Convênios, por via de contraste, como a “folha de oliveira... tirada da Árvore do Paraíso, a mensagem do Senhor de paz para nós.”49
A tamareira, por outro lado, é a árvore sagrada da mitologia assíria, e sua longevidade é o símbolo da vida longa para os egípcios.50 No Velho Testamento, Débora proferiu julgamentos enquanto estava sob uma tamareira 51 e o Santo dos Santos ou o Santíssimo dos templos de Salomão e a visão de Ezequiel foram decorados com tamareiras.52 Como sinal de vitória e realeza, frondosas tamareiras eram encontradas como a parte central da celebração da entrada triunfal de Cristo em Jerusalém.53 O Qur’an também descreve a tamareira como fonte de abrigo e nutrição para Maria, de quem foi dito ter dado à luz a Jesus no deserto, debaixo de tal árvore.54

Uma simples tamareira “frequentemente dá mais 45 Kg de fruto por ano, durante uma vida produtiva de cem anos ou mais. Sinônimo acadiano para tamareira inclui “árvore da abundância” (isu masru) e “árvore dos ricos” (isu rasu)—nomes apropriados para o veículo de sucesso agrícola e de riqueza.55

Também sou a favor da tamareira como a representação da Árvore da Vida dos relatos do Livro de Mórmon das visões de Leí e Néfi. Leí contrasta o fruto da Árvore da Vida com o fruto da árvore proibida: “sendo um doce e o outro amargo.” 56 O fruto da tamareira - frequentemente descrito como “branco” em suas mais desejáveis variedades, bem conhecido da família de Leí, e provavelmente disponível no Vale de Lemuel, onde a família acampou na época das visões - teria providenciado uma analogia que se adequasse melhor do que a oliveira como símbolo do amor de Deus que era “mais doce do que tudo que é doce”.57

Reconciliando as idéias da Árvore da Vida que dá fruto como a tâmara como um oposto ao fruto que produz óleo como a oliveira são sugestões antigas de que a história do Jardim do Éden se referia a três árvores em vez de apenas duas.58 Em adição à Árvore da Vida e à Árvore do Conhecimento, a terceira árvore, uma oliveira, diz-se ter produzido frutos somente depois da queda de Adão. Desse modo, de maneira especulativa, podemos considerar a possibilidade de duas “Árvores da Vida”: á árvore original do Jardim do Éden, com seu fruto doce, destinado como a última recompensa dada aos justos e indiscutivelmente era representada dentro do Santo dos Santos do Primeiro Templo,59 e aquela oleaginosa que subsequentemente germinou, a “Árvore da Misericórdia”60 que pode ter sido simbolizava na menorah, da qual é dito ter estado em frente do véu do Santo dos Santos. Na linguagem da doutrina da Restauração, podemos ver a oliveira como representação do Salvador, sua expiação e os convênios do evangelho explicado a Adão e Eva depois da Queda que finalmente os capacitaria a voltar à presença do Pai e a alegria do doce fruto da vida eterna.

Conclusão

Tenho defendido a idéia de que o fruto da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal é um símbolo da totalidade do conhecimento que pode ser adquirido apenas depois e, em parte, através da experiência probatória bem sucedida. Esse tipo de entendimento, como o estudioso da Bíblia61 conclui, é o seguinte:

…relacionado ao conhecimento (ou sabedoria) em geral e integral. Qualquer limitação do significado do “conhecimento do bem e do mal” é, portanto, excluída. Não significa conhecimento moral nem sexual62, ou qualquer outro conhecimento parcial, mas somente aquele conhecimento que inclui e determina a existência humana como um todo, [a habilidade de comandar]... a própria existência.
A mensagem a respeito dos resultados da ingestão de um ou de outro fruto é clara. Em ambos os casos, aqueles que os comerem se tornam “partícipes da natureza divina”63 — a Árvore da Vida simboliza os significados pelos quais uma adequada medida de vida eterna é concedida ao fiel, enquanto que a Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal capacita aqueles que comerem de seu fruto se torne “como os Deuses, conhecendo o bem e o mal”64  A história subsequente da Queda parece ensinar, entretanto, que comer do fruto de qualquer das duas árvores num estado inapropriado pode trazer sérias consequências.
Referências:
al-Khalesi, Yasin M. The Court of the Palms: A Functional Interpretation of the Mari Palace. Bibliotheca Mesopotamica 8, ed. Giorgio Buccellati. Malibu, CA: Undena Publications, 1978.
al-Tha'labi, Abu Ishaq Ahmad Ibn Muhammad Ibn Ibrahim. d. 1035.'Ara'is Al-Majalis Fi Qisas Al-Anbiya' or "Lives of the Prophets". Translated by William M. Brinner. Studies in Arabic Literature, Supplements to the Journal of Arabic Literature, Volume 24, ed. Suzanne Pinckney Stetkevych. Leiden, Netherlands: Brill, 2002.
Anderson, Gary A., and Michael Stone, eds. A Synopsis of the Books of Adam and Eve 2nd ed. Society of Biblical Literature: Early Judaism and its Literature, ed.John C. Reeves. Atlanta, GA: Scholars Press, 1999.
Anderson, Gary A. "The original form of the Life of Adam and Eve: A proposal." In Literature on Adam and Eve: Collected Essays, edited by Gary A. Anderson, Michael E. Stone and Johannes Tromp, 215-31. Leiden, Netherlands: Brill, 2000.
The Genesis of Perfection: Adam and Eve in Jewish and Christian Imagination. Louisville, KY: Westminster John Knox Press, 2001.
at-Tabataba'i, Allamah as-Sayyid Muhammad Husayn. 1973. Al-Mizan: An Exegesis of the Qur'an. Translated by Sayyid Saeed Akhtar Rizvi. 3rd ed. Tehran, Iran: World Organization for Islamic Services, 1983.
Barker, Margaret. "Joseph Smith and preexilic Israelite religion." BYU Studies 44, no. 4 (2005): 69-82.

Bethge, Hans-Gebhard, and Bentley Layton ed. "On the origin of the world." In The Nag Hammadi Library in English, edited by James M. Robinson. 3rd, Completely Revised ed, 170-89. San Francisco, CA: HarperSanFrancisco, 1990.

Bradshaw, Jeffrey M. In God's Image and Likeness: Ancient and Modern Perspectives on the Book of Moses. Salt Lake City, UT: Eborn Publishing, 2010.
Brenton, Lancelot C. L. 1851. The Septuagint with Apocrypha: Greek and English. Peabody, MA: Hendrickson Publishers, 2005.
Butterworth, Edric Allen Schofeld. The Tree at the Navel of the Earth. Berlin, Germany: Walter de Gruyter, 1970.
Cazenave, Michel. Encyclopédie des Symboles (Updated and expanded version of the German text of Hans Biedermann Knaurs Lexicon der Symbole). Translated by Françoise Périgaut, Gisèle Marie and Alexandre Tondat. Paris, France: Librairie Générale Française, 1996.
Clark, E. Douglas. "Cedars and stars: Enduring symbols of cosmic kingship in Abraham's encounter with Pharaoh." In Astronomy, Papyrus, and Covenant, edited by John Gee and Brian M. Hauglid. Studies in the Book of Abraham 3, 37-55. Provo, UT: Foundation for Ancient Research and Mormon Studies (FARMS), Brigham Young University, 2005.
Cohen, Abraham, ed. The Soncino Chumash: The Five Books of Moses with Haphtaroth. London: The Soncino Press, 1983.
Dogniez, Cécile, and Marguerite Harl, eds. Le Pentateuque d'Alexandrie: Texte Grec et Traduction. La Bible des Septante,ed.Cécile Dogniez and Marguerite Harl. Paris, France: Les Éditions du Cerf, 2001.
Etheridge, J. W., ed. The Targums of Onkelos and Jonathan Ben Uzziel on the Pentateuch, with the Fragments of the Jerusalem Targum from the Chaldee. 2 vols. London, England: Longman, Green, Longman, and Roberts, 1862, 1865. Reprint, Piscataway, NJ: Gorgias Press, 2005. http://www.targum.info/pj/psjon.htm.
Faulconer, James E. "Adam and Eve—Community: Reading Genesis 2-3." Journal of Philosophy and Scripture 1, no. 1 (Fall2003)
Gaylord, H. E., Jr. ed. "3 (Greek Apocalypse of) Baruch." In The Old Testament Pseudepigrapha, edited by James H. Charlesworth. 2 vols. Vol. 1, 653-79. Garden City, NY: Doubleday and Company, 1983.
Gileadi, Avraham. Studies in the Book of Mormon. n. p.: Hebron Books, 2005.
Giorgi, Rosa. Anges et Démons. Translated by Dominique Férault. Paris, France: Éditions Hazan, 2003.
Green, Rosalie, Michael Evans, Christine Bischoff, and Michael Curschmann, eds. The Hortus Deliciarum of Herrad of Hohenbourg: A Reconstruction. 2 vols. London, England: Warburg Institute, 1979.
Griggs, C. Wilfred. "The tree of life in ancient cultures." Ensign 18, June 1988, 26-31.
Hafen, Bruce C. The Broken Heart. Salt Lake City, UT: Deseret Book, 1989.
Halford, Mary-Bess. Lutwin's Eva und Adam: Study - Text - Translation. Göppingen, Germany: Kümmerle Verlag, 1984.
Hamilton, Victor P. The Book of Genesis: Chapters 1-17. Grand Rapids, MI: William B. Eerdmans Publishing, 1990.
Hertz, J. H., ed. The Soncino Edition of the Pentateuch and Haftorahs (with Hebrew Text, English Translation and Commentary)2nd ed. Brooklyn, NY: The Soncino Press, 1970.
Hilton, Lynn M. 1981. "The hand as a cup in ancient religious worship." In Discovering Lehi: New Evidence of Lehi and Nephi in Arabia, edited by Lynn M. Hilton and Hope A. Hilton, 171-77. Springfield, UT: Cedar Fort Incorporated, 1996.
Ibn Ishaq ibn Yasar, Muhammad. d. 767. The Making of the Last Prophet: A Reconstruction of the Earliest Biography of Muhammad. Edited by Gordon Darnell Newby. Columbia, SC: University of South Carolina Press, 1989.
Koltun-Fromm, Naomi. "Aphrahat and the rabbis on Noah's righteousness in light of the Jewish-Christian polemic." In The Book of Genesis in Jewish and Oriental Christian Interpretation, edited by Judith Frishman and Lucas Van Rompay. Traditio Exegetica Graeca, vol. 5, 57-71. Louvain, Belgium: Editions Peeters, 1997.
LaCocque, André. The Trial of Innocence: Adam, Eve, and the Yahwist. Eugene, OR: Cascade Books, 2006.
Lowy, Simeon. The Principles of Samaritan Bible Exegesis. Studia Post-Biblica 28, ed. J. C. H. Lebram. 

Leiden, The Netherlands: E. J. Brill, 1977.
Madsen, Truman G. The Sacrament: Feasting at the Lord's Table. Orem, UT: Amalphi Publishing, 2008.
1994. "In a place called Gethsemane." In Five Classics by Truman G. Madsen, 299-306. Salt Lake City, UT: Eagle Gate, 2001.
Malan, Solomon Caesar, ed. The Book of Adam and Eve: Also Called The Conflict of Adam and Eve with Satan: A Book of the Early Eastern Church. Translated from the Ethiopic, with Notes from the Kufale, Talmud, Midrashim, and Other Eastern Works. London, England: Williams and Norgate, 1882. Reprint, San Diego, CA: The Book Tree, 2005.
Matt, Daniel C., ed. The Zohar, Pritzker Edition. Vol. 1. Stanford, CA: Stanford University Press, 2004.
Matthews, Robert J. "The probationary nature of mortality." In Alma: "The Testimony of the Word." Papers from the Sixth Annual Book of Mormon Symposium, 1991, edited by Monte S. Nyman and Charles D. Tate, Jr. Book of Mormon Symposia 6, 47-60. Provo, UT: Religious Studies Center, Brigham Young University, 1992. Reprint, Salt Lake City, UT: Greg Kofford Books, 2008.
McConkie, Bruce R. A New Witness for the Articles of Faith. Salt Lake City, UT: Deseret Book, 1985.
Doctrines of the Restoration: Sermons and Writings of Bruce R. McConkie. Edited by Mark L. McConkie. Salt Lake City, UT: Bookcraft, 1989.
Mettinger, Tryggve N. D. The Eden Narrative: A Literary and Religio-historical Study of Genesis 2-3. Winona Lake, IN: Eisenbrauns, 2007.
Müller, F. Max ed. "Bundahis." In Pahlavi Texts: The Bundahis, Bahman Yast, and Shayast La-Shayast (including Selections of Zad-sparam), edited by F. Max Müller. 5 vols. Vol. 1. Translated by E. W. West. The Sacred Books of the East 5, ed. F. Max Müller, 1-151. Oxford, England: Oxford University Press, 1880. Reprint, Kila, MT: Kessinger Publishing, 2004.
Neusner, Jacob, ed. Genesis Rabbah: The Judaic Commentary to the Book of Genesis, A New American Translation. 3 vols. Vol. 1: Parashiyyot One through Thirty-Three on Genesis 1:1 to 8:14. Brown Judaic Studies 104, ed.Jacob Neusner. Atlanta, GA: Scholars Press, 1985.
Nibley, Hugh W. "On the sacred and the symbolic." In Temples of the Ancient World, edited by Donald W. Parry, 535-621. Salt Lake City, UT: Deseret Book, 1994. Reprint, Nibley, Hugh W. “On the Sacred and the Symbolic.” In Eloquent Witness: Nibley on Himself, Others, and the Temple, edited by Stephen D. Ricks. The Collected Works of Hugh Nibley 17, 340-419. Salt Lake City, UT: Deseret Book, 2008.
1975. The Message of the Joseph Smith Papyri: An Egyptian Endowment. 2nd ed. Salt Lake City, UT: Deseret Book, 2005.
Peterson, Daniel C. "Nephi and his Asherah: A note on 1 Nephi 11:8-23." In Mormons, Scripture, and the Ancient World: Studies in Honor of John L. Sorenson, edited by Davis Bitton, 191-243. Provo, UT: Foundation for Ancient Research and Mormon Studies, 1998.
"Nephi and his Asherah." Journal of Book of Mormon Studies9, no. 2 (2000): 16-25.

Porter, Joshua Roy. 1995. The Illustrated Guide to the Bible. New York City, NY: Oxford University Press, 1998.
Ricks, Stephen D. "Olive culture in the second temple era and early rabbinic period." In The Allegory of the Olive Tree, edited by Stephen D. Ricks and John W. Welch, 460-76. Salt Lake City, UT: Deseret Book, 1994.

"Oaths and oath-taking in the Old Testament." In The Temple in Time and Eternity, edited by Donald W. Parry and Stephen D. Ricks, 43-53. Provo, UT: FARMS at Brigham Young University, 1999.
Ryen, Jon Olav. The Tree in the Lightworld: A Study in the Mandaean Vine Motif. Oslo, Norway: Unipub/Oslo Academic Press (Faculty of Humanities, University of Oslo), 2006.
Sarna, Nahum M., ed. Genesis. The JPS Torah Commentary,ed.Nahum M. Sarna. Philadelphia, PA: The Jewish Publication Society, 1989.
Schwartz, Howard. Tree of Souls: The Mythology of Judaism. Oxford, England: Oxford University Press, 2004.
Smith, Joseph Fielding, Jr. Doctrines of Salvation: Sermons and Writings of Joseph Fielding Smith. Edited by Bruce R. McConkie. Salt Lake City, UT: Bookcraft, 1954-1956.
Fall, Atonement, Resurrection, Sacrament (Delivered at the University of Utah Institute of Religion, January 19, 1961). Salt Lake City, UT: University of Utah Institute of Religion, 1961.
1957-1966. Answers to Gospel Questions. 5 vols. Salt Lake City, UT: Deseret Book, 1979.
Smith, Joseph, Jr. 1938. Teachings of the Prophet Joseph Smith. Edited by Joseph Fielding Smith, Jr. Salt Lake City, UT: Deseret Book, 1969.
Starr, James. 2007. "Does 2 Peter 1:4 speak of deification?" InPartakers of the Divine Nature: The History and Development of Deification in the Christian Traditions, edited by Michael J. Christensen and Jeffery A. Wittung, 81-92. Grand Rapids, MI: Baker Academic, 2008.
Stordalen, Terje. Echoes of Eden: Genesis 2-3 and the Symbolism of the Eden Garden in Biblical Hebrew Literature. Leuven, Belgium: Peeters, 2000.
Talmage, James E. 1915. Jesus the Christ. Salt Lake City, UT: Deseret Book, 1983.
Tvedtnes, John A. "Olive oil: Symbol of the Holy Ghost." In The Allegory of the Olive Tree, edited by Stephen D. Ricks and John W. Welch, 427-59. Salt Lake City, UT: Deseret Book, 1994.
Westermann, Claus, ed. 1974. Genesis 1-11: A Continental Commentary 1st ed. Translated by John J. Scullion. Minneapolis, MN: Fortress Press, 1994.
Wyatt, Nicholas. Space and Time in the Religious Life of the Near East. Sheffield, England: Sheffield Academic Press, 2001.
Young, Brigham. 1854. "'I propose to speak in a subject that does not immediately concern yours or my welfare,' a sermon delivered on 8 October 1854." In The Essential Brigham Young. Classics in Mormon Thought 3, 86-103. Salt Lake City, UT: Signature Books, 1992.
Notas

1 Cf. Moses 4:31.
2 Associated in some cultures with the idea of heavenly ascent and the attainment of divine vision. See, e.g., E. A. S. Butterworth, Tree, p. 213.
3 Ver J. M. Bradshaw, God's Image, pp. 42-43, 166, 209, 246, 473, 654.
4 Alma 32:41-42.
5 Cf. Moisés 3:10, 1 Nephi 11:25.
6 J. R. Porter, Guide, p. 28.
7 Ver S. D. Ricks, Oaths, pp. 49-50.
8 Cf. R. Giorgi, Anges, p. 281; L. M. Hilton, Hand.
9 Cf. Daniel 4:20, 22: “The tree… is thou, O king.” See also Judges 9:7-21, E. D. Clark, Cedars; T. Stordalen, Echoes, pp. 89-92, 100-101, 291.
10 N. Wyatt, Space, p. 170; cf. 1 Nephi 11:8-22, M. Barker, Joseph Smith, p. 76; M. Cazenave, Encyclopédie, p. 44; D. C. Peterson, Asherah 1998; D. C. Peterson, Asherah 2000 H. Schwartz, Tree, p. 50. See also Qur’an 19:23-26, A. a.-S. M. H. at-Tabataba'i, Al-Mizan, 6:146.
11 Y. M. al-Khalesi, Palms, pp. 45, 54, 56; J. M. Bradshaw, God's Image, pp. 355-356.
12 T. Stordalen, Echoes, p. 101.
13 Moisés 3:9.
14 Moisés 4:28-31.
15 D&C 93:24.
16 V. P. Hamilton, Genesis, p. 166.
17 J. H. Hertz, Pentateuch, p. 8; cf. J. E. Faulconer, Adam and Eve, pp. 19-20.
18 1Reis 3:9; cf. Targum Yerushalmi: “a Árvore do Conhecimaneo, da qual alguém que dela comer distinguiria o bem do mau”. (cited in J. W. Etheridge, Onkelos).
19 Em contraste com a Bíblia, que emprega exclusivamente os termos “bem e mal” (Gênesis 2:9, 17; 3:5, 22; Deuteronômio 1:39; 2 Samuel 19:35; Provérbios 31:12; Isaias 5:20; Jeremias 24:3; Amós 5:14; Mateus 12:35; Lucas 6:45; Hebreus 5:14; cf. 2 Néfi 2:18, 15:20; Alma 29:5, 42:3; Moisés 3:9, 17; 4:11, 28; 5:11; Abraão 5:9, 13; JS-H 1:33), O Livro de Mórmon e Moisés contêm nove instâncias da frase similar “bem do mal” (2 Néfi 2:5, 26; Alma 12:31, 29:5; Helamã 14:31; Morôni 7:15-16, 19; Moisés 6:56). Embora, evidentemente, a diferença de conotação entre estes termos não é inteiramente consistente por todas as referências escriturísticas relativas a eles (ver Alma 12:31 e Moisés 4:28), pode-se argumentar uma distinção entre o conhecimento que Adão e Eva tentaram adquirir quendo se determinaram em comer do fruto proibido (e eventualmente receberiam de sua plenitude quando terminassem sua provação de forma bem sucedida), e aquele conhecimento que eles receberam depois através da experiência por repetidas escolhas num mundo decaído. De modo diferente à antiga tentativa de adquirir conhecimento que tinha vindo em resposta à decepção de Satanás e como resultado da autonomia moral exercitada em transgreção da sivina instrução, o conhecimento essencial adquirido gradualmente por Adão e Eva duante sua provação mortal depederia de ouvir o “Espírito de Cristo” (Morôni 7:16, 19), misericordiosamente tornado disponível a eles através do poder da redenção( 2 Néfi 2:26), capacitando-os a “distinguir o bem do mal; e a maneira de julgar, para que tenhais um conhecimento perfeito, é tão clara como a luz do dia comparada com as trevas da noite.” (Morôni 7:15).
20  A. Cohen, Chumash, p. 10.
21 Enquanto que o texto hebreu usa o singular, implicando em que o mandamento foi dado somente a Adão, a Septuaginta grega usa o plural. (L. C. L. Brenton, Septuagint, Gênesis 2:17, p. 3; C. Dogniez et al., Pentateuque, Gênesis 2:17, pp. 140-141). A idéia de qua tanto Adão quanto Eva estavam presentes para ouvir este mandamento de Deus não era incomum entre os judeus e os primeiros cristãos. (G. A. Anderson et al., Synopsis, 32:1, p. 36E; G. A. Anderson, Perfection, pp. 81-84).
22 J. F. Smith, Jr., Fall. Ver também J. F. Smith, Jr., Answers, 4:81. A formulação original desse mandamento é observado pelo Elder Smith: “Em nenhum outro mandamento o Senhor jamais disse ao homem: ‘Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, tu não comerás dela, no entanto podes escolher, porque te é dado”. (J. F. Smith, Jr., Doctrines, 1:114).
23 H. Schwartz, Tree, 199, p. 165.
24 R. Green et al., Hortus, Vol. 1, Original fol. HD 17r. (Figure 21).
25 Gênesis 2:4-7.
26 Gênesis 2:16-17.
27 Gênesis 2:19-24.
28 G. A. Anderson, Original Form, p. 83; G. A. Anderson, Perfection, pp. 216-217 n. 6.
29 Ver S. D. Ricks, Oaths, pp. 49-50.
30 E.g., D. C. Matt, Zohar 1, Be-Reshit 1:36b, p. 229.
31 Moisés 2:28.
32 Similarmente, no Budismo Zoroastriano, a árvore especial que está junto da Árvore da Vida é chamada de “árvore das muitas sementes” (F. M. Müller, Bundahis, 9:5, 18:9, 27:2, pp. 31, 66, 99-100). Um testo  Copta diz que as folhas da Árvore do Conhecimento “são iguais às folhas da figueira. Seus frutos são como a boa e apetitosa tâmara.” (H.-G. Bethge et al., Origin, 110:22-23, p. 179). O figo tamtém é um símbolo importante no Novo Testamento e num ponto crucial do ministério de Cristo ela se tornou objeto de uma maldição. (Mateus 21:18-20; 24:32; Lucas 13:6-9; João 1:48; Tiago 3:12; cf. Joel 2:22).
33 A história da embriagues de Noé frequentemente é dado como base para esta identificação - ver JST Gênesis 9:24. Por exemplo, ver A. I. A. I. M. I. I. al-Tha'labi, Lives, p. 49; H. E. Gaylord, Jr., 3 Baruch, 6:15-17, p. 669; M. Ibn Ishaq ibn Yasar, Making, p. 37; H. W. Nibley, Sacred, pp. 577-579; H. W. Nibley, Message 2005, p. 308. Na possibilidade de motivações polêmicas para a identificação do fruto proibido como a uva, ver N. Koltun-Fromm, Aphrahat.
34 Ou talvez: Latim pomum (fruto) = Francês pomme (maçã) (A. LaCocque, Trial, p. 95 n. 47).
35 B. Young, 8/Outubro/1854, p. 98. Presidente Young ensinou que Adão e Eva “partilharam do fruto da Terra, até que seus sistemas foram mudados com a natureza da Terra.”
36 J. E. Talmage, Jesus o Cristo, p. 19. Elder Talmage descreve a transgressão de Eva como “indulgência para com alimento inadequado à (sua) natureza.”
37 B. R. McConkie, Sermons, p. 189.
38 V.P. Hamilton, Genesis, p. 209. See also T. N. D. Mettinger, Eden, p. 20.
39 T. Stordalen, Echoes, pp. 230-231. Entretanto, um pouco enfraquecida a alegação de Barr, há duas 
excessões entre as 131 instâncias: Êxodo 1:9 e 2 Samuel 12:27.
40 S. Lowy, Principles, p. 403.
41 B. R. McConkie, New Witness, p. 86; cf. A. Gileadi, Studies, p. 10; B. C. Hafen, Broken, p. 30.
42 D&C 88:28-32; R. J. Matthews, Probationary Nature, p. 56.
43 Citado em V. P. Hamilton, Gênesis, p. 209 n. 6. Note que na visão de Leí não há a mesma ultimidade de quando o fruto é comido,   that in the vision of Lehi there is not the same ultimacy when the fruit is eaten, uma vez que alguns, “ficaram envergonhados, por causa dos que zombavam deles, e desviaram-se por caminhos proibidos e perderam-se.” (1 Néfi 8:28).
44 D&C 88:68.
45 1 C. W. Griggs, Tree of Life; S. D. Ricks, Olive; J. A. Tvedtnes, Olive Oil, pp. 429-430.
46 T. G. Madsen, Sacrament, p. 97; T. G. Madsen, Gethsemane; J. A. Tvedtnes, Olive Oil, p. 429.
47 Cf. G. A. Anderson et al., Synopsis, Latin 36:2, p. 40E; S. C. Malan, Adam and Eve, 36:1-3, pp. 39-40.
48 J. Neusner, Genesis Rabbah 1, 33:6, p. 351.
49 J. Smith, Jr., Teachings, 14 January 1833, p. 18.
50 J. O. Ryen, Mandaean Vine, p. 205.
51 Judges 4:5.
52 1 Reis 6:29, 32, 35, 7:36; 2 Crônicas 3:5; Ezequiel 40:16, 22, 26, 31, 34, 37; 41:18-20, 25-26.
53 João 12:12-13; cf. Apocalipse 7:9, 14.
54 Qur’an 19:23-26.
55 T. Stordalen, Echoes, p. 82.
56 2 Néfi 2:15.
57 Alma 32:42.
58 Ver J. M. Bradshaw, God's Image, pp. 166-167, 210, 658, 755-756.
59 Ver Ibid., p. 658, 755-756. Veja também Ezequiel 41:20 que diz, descrevendo o Santo dos Santos do templo de Salomão, que “do chão até acima da porta havia querubins e tamareiras, e na parede do templo”
60 Ver, e.g., M.-B. Halford, Eva und Adam, pp. 279-281.
61 C. Westermann, Gênesis 1-11, pp. 247-248; cf. T. N. D. Mettinger, Eden, pp. 61-63.
62 Sarna escreve: “Contra a interpretação de que [o fruto representava o conhecimento carnal] existe o fato ... de que a diferenciação sexual é feita pelo próprio Deus (Moisés 2:27), e que a instituição do casamento é vista... como parte da ordem divinamente ordenada (Moisés  2:25), e ainda... o “conhecimento do bem e do mal é uma característica divina”. (N. M. Sarna, Gênesis, p.19; ver Moisés 4:11, 28). Westermann concorda, concluindo que a abertura dos olhos experimentada por Adão e Eva em Moisés 4:13 “não significa que eles se tornaram cônscios da sexualidade”. (C. Westermann, Genesis 1-11, p. 251). Foi mais tarde, imediatamente depois do relato da expulção de Eva que nos é dado o significativo detalhe de que “Adão conheceu sua esposa, e ela gerou filhos e filhas”. (Moisés 5:2. Ver J. E. Talmage, Jesus o Christ, p. 30).
63 2 Pedro 1:4. Para recente exegese desta fraze, ver J. Starr, Partakers.
64 Moses 4:11; cf. Moses 4:28.