NOSSA MISSÃO

Divulga artigos de pesquisas científicas escritos por cientistas e pesquisadores SUD.s e não SUD.s, profissionais e amadores, a respeito da arqueologia, antropologia, geografia, sociologia, cronologia, história, linguística, genética e outras ciências relacionadas à cultura de “O Livro de Mórmon - Outro Testamento de Jesus Cristo”, uma das quatro obras padrão de “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”.

O Livro de Mórmon conta a história dos descendentes do povo de Leí, (profeta da casa de Manassés), que saiu de Jerusalém no ano 600 a.C. (pouco antes do Cativeiro Babilônico) e viajou durante 8 anos pelo deserto da Arábia às margens do Mar Vermelho, até chegar na América (após 2 anos de navegação), desembarcando provavelmente em algum lugar da Mesoamérica (região que inclui o sul do México, Guatemala, Belize, El Salvador, Honduras, Nicarágua e parte de Costa Rica), mais precisamente a região vizinha à cidade de Izapa, no sul do México, onde, presumem os estudiosos, tenha sido o local de assentamento da primeira povoação desses colonizadores hebreus .

Este blog não é patrocinado nem está ligado oficialmente a qualquer denominação religiosa. Todo conteúdo apresentado aqui representa a opinião e é de total e exclusiva responsabilidade de seus autores, que sempre estão devidamente identificados.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

LINGUÍSTICA - E Aconteceu que...


Joseph Allen


Excertos do livro ”Exploring the Lands of the Book of Mormon”
(Explorando as Terras do Livro de Mórmon)


Tradutor Elson Carlos Ferreira – Curitiba/Brasil
A frase "E aconteceu que..." ocorre na tradução em inglês do Livro de Mórmon 1.381 vezes. Somamos a isso, formas derivadas desta frase tais como: "Então aconteceu...", "Pois eis que aconteceu...", "Mas eis que aconteceu...", e "E acontecerá...", o que soma mais de 1.500 vezes.


Esta frase não é exclusiva do Livro de Mórmon. Ela ocorre 526 vezes no Velho Testamento e 87 vezes no Novo Testamento. Este fato sugere que a frase “E aconteceu que...” é de origem hebraica e correlaciona a declaração de Néfi: “Sim, faço um registro na língua de meu pai, que consiste no conhecimento dos judeus e na língua dos egípcios”. (1 Néfi 1:2)


O povo Maia, que viveu no sul do México e Guatemala, pode ter adotado a frase “e aconteceu“ Glifos encontrados em ruínas Maias de Palenque datados do Século VII depois de Cristo manifestam a frase “e então aconteceu” e “e aconteceu”. Outro glifo foi interpretado como “e acontecerá”.

No Livro de Mórmon, o padrão é consistente com os propósitos gramaticais e literários dos glifos Maias. Portanto, podemos especular que o registro do qual O Livro de Mórmon foi traduzido manifestou a frase, ou o glifo, similar ao que é registrado nos hieróglifos Maias. Além disso, sabemos que os Maias não foram os inventores da escrita na Mesoamérica. Eles simplesmente a adotaram de cultura anterior ao período entre 600 a.C e 50 AD.

O grande estudioso Maia, Eric Thompson, escreveu: “A América Central é a única parte do Novo Mundo no qual um sistema de escrita embrionária foi desenvolvida.” (Thompson 1966:189)

Este sistema de escrita foi desenvolvido durante o período Pré-clássico (600 a.C- 200 AD— o período de tempo que corresponde diretamente como o período do Livro de Mórmon.

Copyright © 1999-2002 “Ancient America Foundation