NOSSA MISSÃO

Divulga artigos de pesquisas científicas escritos por cientistas e pesquisadores SUD.s e não SUD.s, profissionais e amadores, a respeito da arqueologia, antropologia, geografia, sociologia, cronologia, história, linguística, genética e outras ciências relacionadas à cultura de “O Livro de Mórmon - Outro Testamento de Jesus Cristo”, uma das quatro obras padrão de “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”.

O Livro de Mórmon conta a história dos descendentes do povo de Leí, (profeta da casa de Manassés), que saiu de Jerusalém no ano 600 a.C. (pouco antes do Cativeiro Babilônico) e viajou durante 8 anos pelo deserto da Arábia às margens do Mar Vermelho, até chegar na América (após 2 anos de navegação), desembarcando provavelmente em algum lugar da Mesoamérica (região que inclui o sul do México, Guatemala, Belize, El Salvador, Honduras, Nicarágua e parte de Costa Rica), mais precisamente a região vizinha à cidade de Izapa, no sul do México, onde, presumem os estudiosos, tenha sido o local de assentamento da primeira povoação desses colonizadores hebreus .

Este blog não é patrocinado nem está ligado oficialmente a qualquer denominação religiosa. Todo conteúdo apresentado aqui representa a opinião e é de total e exclusiva responsabilidade de seus autores, que sempre estão devidamente identificados.

domingo, 27 de junho de 2010

LINGUÍSTICA - A Palavra Impressa

Alan C. Miner
Step by Step through the Book of Mormon 
(Passo a Passo Através do Livro de Mórmon,) 
Update of Word Printing” de John Hilton
www.ancientamerica.org

Tradutor Elson Ferreira – Curitiba-Brasil
1 Néfi 1:2 - O CONHECIMENTO DOS JUDEUS: Este é um gráfico mostrando uma análise da palavra impressa do maior autor do Livro de Mórmon, conforme medido segundo o padrão de escritores do Século XIX e da língua dos hebreus no tempo de Jeremias. Note que a linguagem das placas menores era diferente das de Alma, que também era diferente das de Mórmon e Morôni.
(*John Hilton, “Atualização da Palavra Escrita”).

Néfi menciona que escreveu nas placas menores de acordo com o “conhecimento dos judeus e na língua dos egípcios (1 Néfi 1:2). É difícil dizer exatamente quantos dos mantenedores dos registros nefitas alteraram os caracteres usados nas placas menores, ou seu significado na época em que Mórmon tomou o encargo deles, mas uma das coisas que Morôni nos diz é que as alterações foram feitas “segundo nossa (dos nefitas) maneira de falar" (Mórmon 9:32-34). A moderna análise da palavra escrita nos tem dado uma enorme visão a respeito da diferença na maneira de falar entre os tempos dos primeiros autores das placas menores, dos tempos de Alma, e dos tempos de Mórmon e Morôni.

De acordo com o artigo de John Hilton na conferência da F.A.R.M.S. de 1995, a palavra escrita é baseada no que parece ser um fenômeno humano normal. Sem estarmos conscientes disso, quando falamos ou escrevemos livremente, cada um de nós usa um conjunto de preferências pessoais entre os padrões de palavras disponíveis. Muitos dos padrões de medida da palavra escrita permanece estável ao longo da vida. Até mais significativo que isto é descobrirmos que a palavra escrita de diferentes linguagens permanece estável mesmo durante o ato da tradução. Assim, embora as palavras do texto possam estar em inglês, a palavra escrita pode determinar se a linguagem original era hebreu ou grego.

A análise da palavra escrita tem se desenvolvido dramaticamente ao longo dos últimos 14 anos e, apesar de estar ainda se desenvolvendo, este método já está sendo usado para desemaranhar controvérsias a respeito da autoria de muitos clássicos da literatura. Nos estudos da palavra escrita do Livro de Mórmon, Hilton analisadou os maiores autores e chegou a alguns resultados impressionantes. [John Hilton, Update of Word printing on the English Isaiah Texts and the Book of Mormon, (Atualização da Palavra Impressa no Texto em Inglês de Isaias e do Livro de Mórmon, F.A.R.M.S., p. 1] 

De acordo com as estatísticas da página 14 do trabalho de Hilton, a linguagem dos autores das placas menores não era a mesma que a de Alma; e a linguagem de Alma era diferente daquela usada no tempo de Mórmon e de Morôni. (Hilton, Update, p. 14).  O leitor do Livro de Mórmon encontrará significado nas mudanças destas três linguagens distintas por causa dos diferentes períodos de tempo em que esses autores escreveram, mas também por causa das mudanças na ambientação geográfica da história:

(1)   Os mantenedores dos registros nas placas menores, a começar por Néfi, que veio de Jerusalém e se estabeleceu na terra de Néfi (2 Néfi 5:7-8); o último deles foi Amalequi que escreveu sobre fuga de Mosias da terra de Néfi para a terra de Zaraenla (Ômni 1:13).

(2)   Alma, o filho, que viveu na terra de Zaraenla (Mosias 29:44).

(3)   Mórmon e Morôni fizeram parte da cultura que foi estabelecida na terra do norte (Mórmon 1:2-6).

Comparando estes três grupos de autores do Livro de Mórmon com a tradução em hebreu de das palavras Jeremias, percebemos que enquanto a linguagem de Alma e Mórmon são diferentes,a linguagem dos autores das placas menores correspondem quase exatamente com a linguagem de Jeremias. Assim, se o trabalho de Hilton se provar correto, e se seguirmos as idéias que o Dr. Nibley apresentou anteriormente, então néfi escreveu nas placas menores usando caracteres em egípcio reformado para exprimir os pensamentos da linguagem hebréia. Além disso, Néfi e Jacó também podem ter transcrito algumas vezes de registros já existentes, escritos em hebreu. (1 Néfi 1:17, Mórmon 9:33).  [Alan C. Miner, Notas Pessoais]

Copyright © 1999-2002 Ancient America Foundation.