NOSSA MISSÃO

Divulga artigos de pesquisas científicas escritos por cientistas e pesquisadores SUD.s e não SUD.s, profissionais e amadores, a respeito da arqueologia, antropologia, geografia, sociologia, cronologia, história, linguística, genética e outras ciências relacionadas à cultura de “O Livro de Mórmon - Outro Testamento de Jesus Cristo”, uma das quatro obras padrão de “A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”.

O Livro de Mórmon conta a história dos descendentes do povo de Leí, (profeta da casa de Manassés), que saiu de Jerusalém no ano 600 a.C. (pouco antes do Cativeiro Babilônico) e viajou durante 8 anos pelo deserto da Arábia às margens do Mar Vermelho, até chegar na América (após 2 anos de navegação), desembarcando provavelmente em algum lugar da Mesoamérica (região que inclui o sul do México, Guatemala, Belize, El Salvador, Honduras, Nicarágua e parte de Costa Rica), mais precisamente a região vizinha à cidade de Izapa, no sul do México, onde, presumem os estudiosos, tenha sido o local de assentamento da primeira povoação desses colonizadores hebreus .

Este blog não é patrocinado nem está ligado oficialmente a qualquer denominação religiosa. Todo conteúdo apresentado aqui representa a opinião e é de total e exclusiva responsabilidade de seus autores, que sempre estão devidamente identificados.

segunda-feira, 28 de junho de 2010

ARQUEOLOGIA - Caixas de Pedra No Velho e No Novo Mundo

George Potter

Tradutor Elson C. Ferreira - Curitiba/Brasil

O que Joseph Smith Jr. pode ter conhecido a respeito da antiga tradição de enterrar objetos sagrados em caixas de pedra? A Bíblia não trata do assunto, entretanto, o Projeta escreveu:“Próximo à vila de Manchester, no Condado de Ontário, Estado de Nova York, existe uma colina de considerável tamanho, sendo a mais alta da redondeza.
No lado oeste dessa colina, não muito distante do cume, sob uma pedra de considerável tamanho, estavam as placas, depositadas em uma caixa de pedra. No meio, na parte superior, essa pedra erra grossa e arredondada; era, porém mais fina na direção das extremidades, de modo que a parte central ficava visível acima do solo, mas as bordas em toda a volta estavam cobertas de terra. Tendo removido a terra, arranjei uma alavanca, introduzi-a sob a borda da pedra e consegui levanta-la com um pequeno esforço. Olhei e lá realmente vi as placas, o Urim e Tumim e o peitoral, como afirmara o mensageiro. A caixa na qual se encontravam era formada de pedras unidas por uma espécie de cimento. No fundo da caixa havia duas pedras colocadas transversalmente e sobre elas estavam as placas e as outras coisas.” (Joseph Smith – History 51-52)
 
Em 1998, Richard Wellington encontrou esta caixa em Wadi Tayyib al-Ism, o cânion que acreditamos, seja o vale de Lemuel.







  
Esta caixa de pedra está exposta no Museu Nacional Saudita de Arqueologia, em Jiyadh.









A artigo de capa da edição de Março de 2003 da Smithsonian magazine foi Unraveling the Mysteries of Machu Picchu (Desvendando os Mistérios de Machu Picchu).  Machu Picchu foi descoberta em 1911 por Hiram Bingham, entretanto, muitos dos artefatos que ele descobriu não haviam sido vistos, exceto por estudiosos após oito décadas. Entre eles está esta curiosa caixa de pedra que estava enterrada. O artido da revista Smithsonian descreve a caixa dessa maneira: Bingham desenterrou a caixa de pedra adornada com motivos geométricos. Sua aparência sugeria que ela tinha uso ritual e talvez contivesse objetos cerimoniais. O que você pensa a respeito disso?

Fergus M. Bordewich, “Winter Palace”,  Smithsonian, March 2003, 109